ISSN - Versão Impressa: 0102-3616 ISSN - Versão Online: 1982-4378

116
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Original Article

Influência da artroplastia total de quadril sobre o equilíbrio sagital lombopélvico: Avaliação dos parâmetros radiográficos*

Influence of total hip arthroplasty on sagittal lumbar-pelvic balance: Evaluation of radiographic parameters*

Saulo Fouani de Miranda1, Vitor Gustavo de Paiva Corotti1, Phelipe Menegaz1, Welington Ueda1, Emiliano Neves Vialle1, Luiz Roberto Vialle1

DOI: 10.1016/j.rbo.2018.04.005


 

RESUMO:

OBJETIVO Analisar prospectivamente as variáveis radiográficas do equilíbrio sagital da coluna lombossacral no pré e pós-operatório dos pacientes submetidos a artroplastia total de quadril (ATQ).
MÉTODOS Estudo prospectivo, observacional e comparativo que avaliou parâmetros radiográficos pré e pós-operatórios imediatos de 71 pacientes submetidos a 72 ATQs em três anos (2014-2017) por coxartrose primária, dos quais 28 fizeram controle pós-operatório tardio (6 meses), através do programa Surgimap Spine (Surgimap, Nova York, NY, EUA). A análise estatística foi feita com o teste t de Student, o modelo de análise de covariância (ANCOVA, na sigla em inglês) e o teste de Kolmogorov-Smirnov. Os dados foram analisados com o programa IBM SPSS Statistics for Windows, Versão 20.0 (IBM Corp., Armonk, NY, EUA). Valores de p < 0,05 indicaram significância estatística.
RESULTADOS Os 72 casos avaliados apresentaram uma idade média de 57,9 anos, com predominância do sexo feminino (60,6%) e de pacientes > 50 anos (71,8%). Houve uma diminuição global nos valores da lordose lombar no pós-operatório imediato, sem grandes alterações globais na evolução tardia. Aferiu-se que pacientes com uma incidência pélvica ≥ 60° tendem a ter os demais parâmetros do equilíbrio sagital elevados.
CONCLUSÃO Não houve diferença significativa entre as variáveis radiográficas do equilíbrio sagital lombopélvico nos períodos avaliados. A lordose lombar e a incidência pélvica foram os principais fatores modificantes. A melhoria da lombalgia pós-ATQ sem alterações desses parâmetros sugere diferentes mecanismos da patologia ainda a serem esclarecidos.

Palavras-chave:
artroplastia de quadril; coluna vertebral; dor lombar.

ABSTRACT:

OBJECTIVE To prospectively analyze the radiographic variables of lumbosacral sagittal balance in the pre- and postoperative period of patients submitted to total hip arthroplasty (THA).
METHODS A prospective, observational, comparative study that evaluated pre- and postoperative radiographic parameters of 71 patients, submitted to 72 total hip arthroplasties in a 3-year period (2014-2017) for primary coxarthrosis, of whom 28 performed late postoperative control (6 months) through the Surgimap Spine software (Surgimap, New York, NY, USA). Statistical analysis was performed using the Student t-test, the analysis of covariance (ANCOVA) model, and the Kolmogorov-Smirnov test. The data were analyzed using the IBM SPSS Statistics for Windows, Version 20.0 (IBM Corp., Armonk, NY, USA). A p-value < 0.05 indicated statistical significance.
RESULTS A total of 72 cases, presenting a mean age of 57.9 years old, predominantly females (60.6%) and patients > 50 years old (71.8%). There was an overall decrease in lumbar lordosis values in the immediate postoperative period, without major global changes in late evolution. It was found that patients with a pelvic incidence ≥ 60° tended to have their other sagittal balance parameters elevated.
CONCLUSION There was no significant difference between the radiographic variables of sagittal lumbopelvic balance in the evaluated periods. Lumbar lordosis and pelvic incidence were the main modifying factors. Improvement of low back pain after THA, without changes in parameters, suggests different pathology mechanisms still to be clarified.

Keywords:
hip arthroplasty; spine; low back pain.

FIGURAS

Citação: Miranda SF, Corotti VGP, Menegaz P, Ueda W, Vialle EN, Vialle LR. Influência da artroplastia total de quadril sobre o equilíbrio sagital lombopélvico: Avaliação dos parâmetros radiográficos*. 54(6):657. doi:10.1016/j.rbo.2018.04.005
Nota: * Trabalho feito no serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Universitário Cajuru (PUC-PR), Curitiba, PR, Brasil. Publicado Originalmente por Elsevier Editora Ltda.
Recebido: December 23 2017; Aceito: April 10 2018
 

INTRODUÇÃO

Com o aumento da estimativa de vida em nossa população, cada vez mais pacientes apresentam alterações degenerativas que necessitam de cirurgia. A coluna e o quadril são fontes importantes de incapacidade no idoso, e sua sintomatologia está muitas vezes sobreposta. É difícil definir clinicamente qual alteração é mais relevante e deve ser tratada prioritariamente.

O equilíbrio sagital (ES) é um sistema mecânico composto por elementos osteoarticulares e neuromiofasciais da estrutura coluna-pelve dos membros inferiores, que é dependente da variação do eixo do centro de gravidade com o eixo bicoxofemoral. Isso torna possível relacionar diretamente o balanço postural como fator preditivo e prognóstico de algumas afecções da coluna, em particular nas doenças degenerativas lombares.1

O conceito de que a pelve faz parte da coluna está bem estabelecido desde que Duval-Beauperre usou a definição de vértebra pélvica para enfatizar a influência que a posição da pelve tem sobre a postura e o alinhamento da coluna.2

É muito difícil avaliar os valores normais do eixo espinopélvico devido a um extenso grupo de indivíduos assintomáticos, mesmo com extremos de valores para cada variável do ES. Diversos ângulos e medidas radiográficas auxiliam na compreensão dessa relação; os mais comuns são a lordose lombar (LL), rotação pélvica (PT), incidência pélvica (PI) e inclinação sacral (SS) - suas linhas e valores de referências estão demonstrados na Tabela 1, de acordo com o estudo de Morvan et al,3 e seus desenhos esquemáticos estão demonstrados na Figura 1.

Tabela 1. Ângulos e valores normais referentes às variáveis do equilíbrio sagital
Variável ES Linha 1 Linha 2 Valor normal
Lordose lombar (LL) Placa superior de L1 Placa terminal de S1 41 ± 11º/46 ± 11º
Rotação pélvica (PT) Linha vertical ao solo Ponto médio placa sacral ao eixo cabeça femoral 10º-25º
Incidência pélvica (PI) Perpendicular à placa do sacro Ponto médio placa sacral ao eixo cabeça femoral 45º-65º
Inclinação sacral (SS) Platô superior de S1 Linha horizontal ao solo 30º-50º

Nas últimas 3 décadas, especialistas de cirurgia da coluna têm estudado cada vez mais a importância do ES, relacionando o desequilíbrio sagital com as consequências degenerativas da coluna.

Nos pacientes submetidos a artroplastia total de quadril (ATQ), a relação entre a pelve e a coluna é obrigatoriamente modificada, mas pouco se sabe sobre sua influência na postura dos pacientes. Em teoria, se o eixo vertical da coluna for deslocado anteriormente, haverá maior gasto energético e surgimento de sintomas na coluna lombar.

Objetiva-se com o presente estudo comparar de forma prospectiva os parâmetros radiográficos do ES lombopélvico que englobam a relação entre coluna e pelve no pré-operatório de ATQ, no pós-operatório imediato e tardio, levar em conta idade e gênero, e determinar a influência da artroplastia na alteração dessas variáveis.

 

METODOLOGIA

Estudo aprovado pelo Comitê de Ética através do site da Plataforma Brasil.

Estudo prospectivo, observacional, comparativo, no qual pacientes submetidos a cirurgia eletiva de ATQ por coxartrose primária foram avaliados quanto aos parâmetros radiográficos lombopélvicos antes e após a cirurgia.

Foram feitas prospectivamente radiografias em 3 momentos definidos para avaliação das medições do ES: na avaliação pré-operatória (1 dia antes da cirurgia), pós-operatória imediata (2° ao 4° mês pós-operatório), e pós-operatória tardia (4° ao 6° mês pós-operatório).

Foram incluídos no estudo apenas os pacientes com indicação cirúrgica por coxartrose primária; assim, foram excluídos todos os pacientes que receberam prótese parcial ou após fratura de fêmur proximal ou aqueles cujas radiografias estavam inadequadas.

Entre abril de 2014 e março de 2017, foram feitas 120 cirurgias de ATQ por coxartrose. Foram excluídos 20 pacientes que não fizeram a radiografia pré-operatória adequada, 21 por não conformação da técnica radiográfica, e 8 com perda de seguimento. Portanto, foram incluídos 71 pacientes, ou 72 cirurgias (1 paciente fez artroplastia bilateral) com todos os requisitos de qualidade de imagem e conformação radiográfica. Dos pacientes incluídos, 28 fizeram radiografias adequadas no pós-operatório tardio e foram, portanto, incluídos na avaliação.

As radiografias no pré-operatório e pós-operatório imediato foram feitas durante o internamento, enquanto as referentes ao pós-operatório tardio foram feitas nos retornos ambulatoriais. Todos os exames radiográficos foram feitos como protocolo - raio-X em perfil lombossacral ortostático, inclusive fêmures proximais (Fig. 2).

Para avaliação do ES, usamos as medições da LL, do SS, do PT e da PI. Essas medidas foram avaliadas por um mesmo residente de cirurgia da coluna por meio do aplicativo Surgimap Spine (Surgimap, Nova York, NY, EUA) (Fig. 3), software gratuito que faz medições radiográficas com maior precisão quando comparada à radiografia impressa e integra a medição com ferramentas para aferições da coluna e planejamento cirúrgico.4,5

Os resultados de variáveis quantitativas foram descritos por médias, medianas, valores mínimos, valores máximos e desvios padrões (DPs). Variáveis qualitativas foram descritas por frequências e percentuais. A comparação entre duas avaliações foi feita considerando-se o teste t de Student para amostras pareadas. A condição de normalidade das variáveis foi avaliada pelo teste de Kolmogorov-Smirnov. Valores de p < 0,05 indicaram significância estatística. Os dados foram analisados com o programa computacional IBM SPSS Statistics for Windows, Versão 20.0 (IBM Corp., Armonk, NY, EUA).

 

RESULTADOS

Foram incluídos 71 pacientes, com um total de 72 ATQs (1 caso bilateral), dos quais 28 fizeram controle pós-operatório tardio. A média de idade da população encontrada foi de 57,9 anos (mínimo de 27 e máximo de 85 anos); há uma maior prevalência de pacientes com > 50 anos (71,8%). Houve também uma maior prevalência de mulheres (60,6%) do que homens (39,4%) e o lado direito foi o operado na sua maioria (55%).

Em relação à avaliação da lordose lombar, foi possível notar uma diminuição de modo geral dos seus valores conforme o sexo e a idade dos pacientes, no pós-operatório imediato, que em longo prazo manteve-se similar aos valores pré-operatórios (Tabela 2).

Tabela 2. Variação da lordose lombar no pré-operatório, no pós-operatório e no pós-operatório tardio, classificados de acordo com o grau aferido
LL Pré-operatório Pós-operatório Pós-operatório tardio
  n % n % n %
Hiperlordosea 47 65,3 40 55,6 18 64,3
Normolordoseb 23 31,9 30 41,7 10 35,7
Hipolordosec 2 2,8 2 2,8 0 0
Total 72 100 72 100 28 100

Abreviação: LL, lordose lombar.

a Mulheres > 57º; Homens > 52º.

b Mulheres 35º a 57º; Homens 30º a 52º.

c Mulheres < 35º; Homens < 30º.

Ao comparar as medidas das variáveis em relação ao pré e pós-operatório imediato, nenhuma das variáveis analisadas apresentou diferença estatisticamente significativa. Em relação ao SS, houve uma diferença média de 0,4°, representando um pequeno aumento da SS após a ATQ. A variável PT teve, em média, uma diminuição de 1,4°; enquanto que a PI demonstrou uma diminuição de 1,1° (Tabela 3).

Tabela 3. Comparação das variáveis no pré e pós-operatório, sua diferença e avaliação estatística
  n Média Mediana Mínino Máximo Desvio padrão valor-p a
Rotação pélvica              
    Pré 72 13,3 14,5 - 1,3 36 10,1  
    Pós 72 11,9 11 - 11 39 10,30  
    Diferença (pós-pré) 72 - 1,4 - 1 - 33 29 9,9 0,219
Incidência pélvica              
    Pré 72 55,9 53 25 100 13,0  
    Pós 72 54,8 52 20 100 13,5  
    Dif (pós-pré) 72 - 1,1 0 - 21 15 6,3 0,158
Inclinação sacral              
    Pré 72 42,4 42 - 2 74 11,0  
    Pós 72 42,9 41 23 85 11,5  
    Diferença (pós-pré) 72 0,4 0 - 25 29 8,5 0,658
Lordose lombar              
    Pré 72 - 57,3 - 58 - 96 - 2 13,6  
    Pós 72 - 56,8 - 56 - 116 - 27 14,3  
    Diferença (pós-pré) 72 0,5 0 - 53 33 12,1 0,750

a Teste t de Student para amostras pareadas (p < 0,05).

Para a análise dos resultados das avaliações pré e pós-operatório tardio, foram considerados 28 casos com dados completos. As variáveis analisadas não demonstraram diferença significativa entre as médias. Entretanto, o PT e a PI se aproximaram de p < 0,05. Notou-se um aumento do SS de 0,7° na média. O PT e a PI apresentaram diminuição, em média, de 2,5° e 2,6°, respectivamente (Tabela 4).

Tabela 4. Comparação das variáveis no pré e pós-operatório tardio, sua diferença e avaliação estatística
  n Média Mediana Mínino Máximo Desvio padrão valor-p a
Rotação pélvica              
    Pré 28 16,0 16 0 34 7,8  
    Pós 28 13,5 13 - 4 33 7,5  
    Diferença (pós-pré) 28 - 2,5 - 2 - 24 17 7,9 0,105
Incidência pélvica              
    Pré 28 57,1 57 32 100 12,8  
    Pós 28 54,5 52 31 87 14,9  
    Diferença (pós-pré) 28 - 2,6 - 3,5 - 17 14 7,6 0,085
Inclinação sacral              
    Pré 28 40,3 41 18 74 10,7  
    Pós 28 41,1 39 28 69 10,5  
    Diferença (pós-pré) 28 0,7 - 2 - 13 26 8,2 0,632

a Teste t de Student para amostras pareadas (p < 0,05).

Em relação à avaliação das diferenças das medidas do pós-operatório tardio e imediato, houve diminuição menor do que no primeiro em todos os parâmetros.

A avaliação dos parâmetros do ES, levados em conta os pacientes com idade ≤ 50 anos, não apresentou alteração nos valores do pós-operatório tanto imediato como tardio, comparada ao pré-operatório. Em relação ao grupo com > 50 anos, as diferenças encontradas não apresentaram significância estatística.

Considerando a análise do gênero do paciente, nenhuma das variáveis aferidas apresentou diferença com significância estatística, em qualquer um dos momentos avaliados.

Houve significância estatística na avaliação de alguns dos parâmetros, quando dividida a população em indivíduos com PI ≥ 60° e < 60°. Aferiu-se que tanto a LL como o SS e o PT apresentaram maiores valores nos pacientes com PI ≥ 60°, um achado que foi significativo. Além disso, na comparação entre o pós-tardio com o pré-operatório, houve maior diminuição do PT nos pacientes com valor de PI < 60° (- 3,3 versus -1; p < 0,05). Na mesma comparação, notou-se um aumento de 2,3° no SS dos pacientes com PI ≥ 60°, enquanto que no grupo com PI < 60° esse valor praticamente não se alterou (0,1°; p < 0,05) (Tabela 5).

Tabela 5. Comparação das variáveis entre os períodos avaliados de acordo com a variação da incidência pélvica (≥ 60∘ e < 60º), sua diferença e avaliação estatística
Variável Avaliação PI pré n Média Mínino Máximo Desvio padrão valor-p a
Rotação pélvica Pré < 60 49 9,8 - 13 34 9,0  
    ≥ 60 23 20,7 9 36 8,3 < 0,001
  Pós < 60 49 9,1 - 11 32 9,4  
    ≥ 60 23 17,8 - 1 39 10,0 0,157
  Pós-tardio < 60 18 10,5 - 4 23 6,4  
    ≥ 60 10 18,9 11 33 6,3 0,017
  Diferença < 60 49 - 0,7 - 33 29 9,8  
  (pós-pré) ≥ 60 23 - 3,0 - 33 13 10,2 0,157
  Diferença (pós- < 60 18 - 3,3 - 24 7 8,0  
  -tardio-pré ≥ 60 10 - 1,0 - 10 17 7,8 0,017
  Diferença (pós- < 60 18 - 0,1 - 18 10 6,4  
  -tardio-pós ≥ 60 10 - 0,6 - 19 17 9,1 0,672
Inclinação sacral Pré < 60 49 39,3 - 2 57 10,1  
    ≥ 60 23 49,2 31 74 9,9 < 0,001
  Pós < 60 49 39,4 23 61 9,1  
    ≥ 60 23 50,4 31 85 12,6 0,050
  Pós tardio < 60 18 35,7 28 48 6,1  
    ≥ 60 10 50,7 33 69 10,0 0,007
  Diferença < 60 49 1 - 25 29 8,9  
  (pós-pré) ≥ 60 23 1,2 - 14 21 7,7 0,050
  Diferença (pós- < 60 18 - 0,1 - 13 26 8,8  
  -tardio-pré ≥ 60 10 2,3 - 9 13 7,1 0,007
  Diferença (pós < 60 18 - 1,1 -10 11 6,2  
  tardio-pós ≥ 60 10 0,7 -16 16 8,6 0,112
Lordose Pré < 60 49 - 53,9 - 77 - 2 12,6  
    ≥ 60 23 - 64,5 - 96 - 34 13,1 0,002
  Pós < 60 49 - 53,9 - 71 - 31 10,6  
    ≥ 60 23 - 64,7 - 116 - 27 17,8 0,077
  Pós tardio < 60 18 - 55,2 - 75 - 39 9,5  
    ≥ 60 10 - 65,3 - 82 - 40 11,9 0,402
  Diferença < 60 49 0,8 - 32 33 10,9  
  (pós-pré) ≥ 60 23 - 0,2 - 53 28 14,6 0,077
  Diferença (pós- < 60 18 - 4,2 - 32 11 11,5  
  -tardio-pré ≥ 60 10 - 0,8 - 14 14 8,6 0,402
  Diferença (pós < 60 18 - 3,8 - 20 11 7,7  
  tardio-pós ≥ 60 10 3,2 - 9 39 14,9 0,263

Abreviação: PI, incidência pélvica.

a Teste t de Student para amostras independentes (avaliação pré); Ancova ajustada para avaliação pré (para as demais avaliações); p < 0,05.

Ao dividir a amostra em pacientes com LL ≥ 40° e LL < 40°, notou-se que o primeiro grupo apresentou maiores valores médios pré-operatórios, tanto em relação ao SS (44,1° versus 26,9°, respectivamente; p < 0,001) quanto à PI (57° versus 46,1° respectivamente; p < 0,05). As demais variáveis não apresentaram significância estatística.

 

DISCUSSÃO

Desde que Hipócrates descreveu os elementos e as curvas da coluna há 2 mil anos, especialistas têm tentado elucidar os complexos detalhes que moldam o ES e as suas influências na clínica dos pacientes.6

A coluna e a pelve se comportam mecanicamente de forma complexa e sinérgica com partes ósseas, disco intervertebral, musculatura e tendões.7 Esse conjunto trabalha com coesão e tem características de defesa contra lesões degenerativas discais ou facetárias, mesmo naquelas pessoas com medições sagitais extremas que têm tendência a lesão degenerativa. No geral, se não houver boa funcionalidade elástica e global, os morfotipos da coluna serão determinantes no comportamento mecânico e degenerativo da coluna.1

Uma série de parâmetros radiográficos foi proposta para descrever um desequilíbrio no alinhamento sagital espinopélvico, e a alteração desses valores estaria relacionada com dor e diminuição na qualidade de vida8 pelo desenvolvimento de mecanismos compensatórios.9

A associação entre lombalgia e osteoartrose foi descrita por Offierski et al há 4 décadas como a síndrome quadril-coluna10 e, apesar dos vários estudos feitos desde então, ainda faltam dados que permitam a compreensão dos mecanismos fisiopatológicos exatos dessa patologia. Hoje, acredita-se que a osteoartrose coxofemoral pode diminuir de forma importante a capacidade do quadril de manter o equilíbrio postural, de forma que a diminuição da mobilidade e o aumento das forças na articulação podem aumentar o gasto energético e gerar uma fadiga da musculatura. Isso acarretaria em uma posição de flexão fixa do quadril, levaria a uma anteversão da pelve, a uma hiperlordose lombar compensatória e, consequentemente, a uma lombalgia devido à sobrecarga ou ao deslocamento das facetas posteriores.7,11

Duval-Beaupère et al12 descreveram em seu estudo a relação entre a anatomia pélvica e LL, uma correlação importante entre o ângulo da PI e da LL; há grande relação desse último parâmetro com o formato da pelve. Em nosso estudo, ao se considerar a variação da LL nos três períodos avaliados, notou-se uma variação sem significância estatística quando classificada a curva lombar em hiperlordótica, hipolordótica ou normolordótica. O grupo em que os valores permaneceram dentro do intervalo tido como normal nesse estudo variou de 31,9% para 35,7%, enquanto que o grupo com curva aumentada apresentou uma diminuição de 1% (Tabela 2).

Estudos prévios demonstraram que existem mudanças características no equilíbrio sagital que ocorrem com o avançar da idade, no desenvolvimento de sintomas de dor lombar e de degeneração da coluna.10,13 Vendantam et al14 demonstraram haver um deslocamento do alinhamento sagital para anterior no eixo sacral com o envelhecimento. Buscamos avaliar a influência de variáveis como o gênero e a idade na alteração dos parâmetros do equilíbrio sagital, porém nosso estudo demonstrou não haver correlação com tais dados. Em um estudo publicado por Kulcheski et al,15 concluiu-se que pacientes obesos tendem a apresentar alterações dos parâmetros sagitais por mecanismos compensatórios do sobrepeso.

A incidência pélvica foi descrita por Legaye et al16 como um padrão morfológico que varia conforme o eixo do quadril e a obliquidade do sacro em relação ao íleo, e demonstra ter uma importante correlação com a inclinação espino pélvica, a SS e a LL. Uma diminuição dos valores da PI tem relação com uma LL e uma SS diminuídas. Os principais resultados estatisticamente significantes levam em consideração o fato de que pacientes com valores elevados de PI > 60 no pré-operatório apresentavam simultaneamente maiores valores nas demais variáveis (Tabela 5). Vaz et al17 destacaram que pacientes com PI consideradas de baixo grau teriam menor capacidade de adaptação às mudanças das variáveis do equilíbrio sagital, enquanto que na PI de alto grau a SS não causaria essa limitação e representaria melhor poder de variação dos demais ângulos.

Aferiu-se, em trabalhos prévios, que a PI mais comum na população assintomática e, portanto, mais ajustada mecanicamente, está numa média de 50°.18 Nesses pacientes, encontra-se menor quantidade de patologias degenerativas, devido à menor concentração de pontos de pressão sobre as estruturas da coluna vertebral (melhor distribuição das cargas).19 Quando existe baixa PI, ocorrem condições para surgimento de patologias discais, pois a tendência da aproximação da linha de gravidade junto à junção lombosssacra gera uma menor dispersão da pressão sobre o disco intervertebral e gera aumento da força no núcleo pulposo. No morfotipo com PI alto (pacientes com hiperlordose) existe uma sobrecarga nos elementos posteriores da coluna lombar, que aumentam a possibilidade de aparecimento de lesões das facetas e pars interarticulares. No entanto, nem todos os pacientes com extremos de PI desenvolvem alguma patologia na coluna, assim como nem todos os pacientes com alguma patologia precisam ter valores extremos.19

De maneira geral, ao avaliarmos os resultados das variáveis analisadas, não houve mudanças significativas entre os seus períodos de avaliação, conforme previamente descrito na literatura por Ben-Galim et al,20 em um estudo prospectivo com 25 pacientes e ratificado pelo estudo de Radcliff et al,21 publicado em 2013.

Weng et al,22 na comparação entre pacientes com coxartrose e pacientes sem alterações, encontraram que o primeiro grupo apresentou uma maior anteversão da pelve, maior flexão da articulação coxofemoral e uma inclinação anterior da coluna. Estudos de Eyvazov et al7 e de Ben-Galim et al20 mostraram que alterações funcionais dos quadris, como a coxartrose, geram anormalidades do alinhamento sagital, e que a correção da função articular em quadris artrósicos avançados com a feitura de artroplastias produz uma redução significativa na escala visual e no escore de Owestry para a dor lombar. A ATQ é tida cada vez mais como fator de melhoria na lombalgia, na função biomecânica da coluna e em queixas do quadril.23,24

Em teoria, a ATQ permitiria uma compensação dos valores radiográficos pela recuperação da extensão do quadril, porém isso não foi demonstrado na literatura. De fato, a PT e as demais variáveis sofreram pequenas alterações após a artroplastia, assim como previamente descrito.25,26

A limitação do número de pacientes analisados, o período de acompanhamento pós-operatório e a dificuldade técnica radiográfica para uniformidade da aferição das variáveis são fatores que possivelmente podem ter influenciado nos resultados deste trabalho.

Estudos ainda divergem sobre qual patologia deve ser tratada inicialmente; é indicado um acompanhamento em conjunto com especialistas em quadril e coluna. Resultados mais atuais têm sugerido que a coxartrose deve ser tratada previamente, por ter demonstrado maior influência na melhoria pós-operatória de um quadro de lombalgia prévia.20

A individualização dos casos de pacientes candidatos à ATQ torna-se cada vez mais necessária, principalmente em indivíduos com quadro de lombalgia. A avaliação do equilíbrio sagital nesses pacientes pode prevenir erros técnicos como uma anteversão excessiva do componente acetabular, impacto posterior, desgaste precoce dos componentes, e até complicações pós-operatórias importantes, como instabilidade e luxações.27,28

 

CONCLUSÃO

O estudo do ES tem sido uma importante ferramenta ortopédica para elucidar a mecânica, a fisiopatologia e suas relações com as afecções da coluna vertebral. Suas respostas impactam diretamente em melhor diagnóstico, conduta, planejamento, decisão terapêutica e resultados.

O presente trabalho acrescenta dados à literatura e valida outros já relatados. A mudança das variáveis do equilíbrio sagital global não se mostrou significativa no pós-operatório, o que reforça estudos pregressos com a teoria de que existam mecanismos mais complexos ainda não descritos que seriam responsáveis pela melhoria clínica e sintomática dos pacientes submetidos à ATQ. Entretanto, a avaliação do equilíbrio sagital nos candidatos a esse procedimento se mostra importante e deve ser feita no período de planejamento cirúrgico. Novos estudos devem ser feitos, com vistas à elucidação da fisiopatologia de algo que se mostra cada vez mais frequente na população atual, com grande impacto socioeconômico.

 

REFERÊNCIAS

Jackson RP, McManus AC. Radiographic analysis of sagittal plane alignment and balance in standing volunteers and patients with low back pain matched for age, sex, and size. A prospective controlled clinical study. Spine 1994;19(14):1611-1618 Link DOI Link PubMed
Duval-Beaupère G, Robain G. Visualization on full spine radiographs of the anatomical connections of the centres of the segmental body mass supported by each vertebra and measured in vivo. Int Orthop 1987;11(03):261-269 Link DOI
Morvan G, Wybier M, Mathieu P, Vuillemin V, Guerini H. [Plain radiographs of the spine: static and relationships between spine and pelvis]. J Radiol 2008;89(5 Pt 2):654-663, quiz 664-666 Link DOI
Dimar JR II, Carreon LY, Labelle H, et al. Intra- and inter-observer reliability of determining radiographic sagittal parameters of the spine and pelvis using a manual and a computer-assisted methods. Eur Spine J 2008;17(10):1373-1379 Link DOI Link PubMed
Akbar M, Terran J, Ames CP, Lafage V, Schwab F. Use of Surgimap Spine in sagittal plane analysis, osteotomy planning, and correction calculation. Neurosurg Clin N Am 2013;24(02):163-172 Link DOI
Le Huec JC, Roussouly P. Sagittal spino-pelvic balance is a crucial analysis for normal and degenerative spine. Eur Spine J 2011;20 (Suppl 5):556-557 Link DOI
Eyvazov K, Eyvazov B, Basar S, Nasto LA, Kanatli U. Effects of total hip arthroplasty on spinal sagittal alignment and static balance: a prospective study on 28 patients. Eur Spine J 2016;25(11):3615-3621 Link DOI Link PubMed
Lazennec JY, Brusson A, Rousseau MA. Hip-spine relations and sagittal balance clinical consequences. Eur Spine J 2011;20 (Suppl 5):686-698 Link DOI
Buckland AJ, Vigdorchik J, Schwab FJ, et al. Acetabular anteversion changes due to spinal deformity correction: bridging the gap between hip and spine surgeons. J Bone Joint Surg Am 2015;97 (23):1913-1920 Link DOI Link PubMed
Offierski CM, MacNab I. Hip-spine syndrome. Spine 1983;8(03): 316-321 Link DOI
Bisson EJ,McEwen D, Lajoie Y, BilodeauM. Effects of ankle and hip muscle fatigue on postural sway and attentional demands during unipedal stance. Gait Posture 2011;33(01):83-87
Duval-Beaupère G, Schmidt C, Cosson P. A Barycentremetric study of the sagittal shape of spine and pelvis: the conditions required for an economic standing position. Ann Biomed Eng 1992;20(04): 451-462 Link DOI
Gelb DE, Lenke LG, Bridwell KH, Blanke K, McEnery KW. An analysis of sagittal spinal alignment in 100 asymptomatic middle and older aged volunteers. Spine 1995;20(12):1351-1358 Link DOI Link PubMed
Vedantam R, Lenke LG, Keeney JA, Bridwell KH. Comparison of standing sagittal spinal alignment in asymptomatic adolescents and adults. Spine 1998;23(02):211-215 Link DOI
Kulcheski AL, Soler I, Graells X, Benato ML, Baretta G. Avaliação angular do equilíbrio sagital em pacientes obesos. Coluna/Columna 2013;12(03):224-227 Link DOI
Legaye J, Duval-Beaupère G, Hecquet J, Marty C. Pelvic incidence: a fundamental pelvic parameter for three-dimensional regulation of spinal sagittal curves. Eur Spine J 1998;7(02):99-103 Link DOI
Vaz G, Roussouly P, Berthonnaud E, Dimnet J. Sagittalmorphology and equilibrium of pelvis and spine. Eur Spine J 2002;11(01): 80-87 Link DOI
Barrey C, Jund J, Noseda O, Roussouly P. Sagittal balance of the pelvis-spine complex and lumbar degenerative diseases. A comparative study about 85 cases. Eur Spine J 2007;16(09):1459-1467 Link DOI
Labelle H, Roussouly P, Berthonnaud E, et al. Spondylolisthesis, pelvic incidence, and spinopelvic balance: a correlation study. Spine 2004;29(18):2049-2054 Link DOI Link PubMed
Ben-GalimP, Ben-GalimT, Rand N, et al. Hip-spine syndrome: the effect of total hip replacement surgery on low back pain in severe osteoarthritis of the hip. Spine 2007;32(19):2099-2102 Link DOI Link PubMed
Radcliff KE, Orozco F, Molby N, et al. Change in spinal alignment after total hip arthroplasty. Orthop Surg 2013;5(04):261-265 Link DOI
Weng WJ,WangWJ,WuMD, Xu ZH, Xu LL, Qiu Y. Characteristics of sagittal spine-pelvis-leg alignment in patients with severe hip osteoarthritis. Eur Spine J 2015;24(06):1228-1236 Link DOI
Buckwalter JA, Saltzman C, Brown T. The impact of osteoarthritis: implications for research. Clin Orthop Relat Res 2004(427, Suppl) S6-S15 Link DOI
Morrey BF, Adams RA, KesslerM. A conservative femoral replacement for total hip arthroplasty. A prospective study. J Bone Joint Surg Br 2000;82(07):952-958 Link DOI
Murphy WS, Klingenstein G, Murphy SB, Zheng G. Pelvic tilt is minimally changed by total hip arthroplasty. Clin Orthop Relat Res 2013;471(02):417-421 Link DOI
Blondel B, Parratte S, Tropiano P, Pauly V, Aubaniac JM, Argenson JN. Pelvic tilt measurement before and after total hip arthroplasty. Orthop Traumatol Surg Res 2009;95(08):568-572 Link DOI
Miki H, Kyo T, Kuroda Y, Nakahara I, Sugano N. Risk of edgeloading and prosthesis impingement due to posterior pelvic tilting after total hip arthroplasty. Clin Biomech (Bristol, Avon) 2014;29(06):607-613 Link DOI
ShonWY, Sharma V, Keon OJ, Moon JG, Suh DH. Can pelvic tilting be ignored in total hip arthroplasty? Int J Surg Case Rep 2014;5 (09):633-636 Link DOI