ISSN - Versão Impressa: 0102-3616 ISSN - Versão Online: 1982-4378

22
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Case Report

Fratura proximal do fêmur e lesão vascular em adultos – Relato de caso*

Proximal Femur Fracture and Vascular Injury in Adults—Case Report*

Pedro José Labronici1, Fernando Claudino dos Santos1, Yuri Leander Oliveira Diamantino1, Eduardo Loureiro3, Maria Cristina Diniz Gonçalves Ezequiel2, Sérgio Delmonte Alves5

DOI: 10.1016/j.rbo.2017.09.003


 

RESUMO:

Complicações vasculares no tratamento cirúrgico da fratura do quadril são raras. A depender da lesão arterial, pode ocorrer um grave sangramento intraoperatório ou formação de hematoma subagudo com desenvolvimento de pseudoaneurisma arterial. Na literatura, as complicações mais frequentes relatadas são a formação de grandes hematomas locais após osteossíntese com parafuso deslizante do quadril. O objetivo do presente relato foi demonstrar um caso de lesão arterial tardia após osteossíntese proximal do fêmur.

Palavras-chave:
fraturas do fêmur; lesões do sistema vascular; parafusos ósseos; quadril/cirurgia.

ABSTRACT:

Vascular complications in the surgical treatment of hip fractures are rare. Depending on the arterial injury, severe intraoperative bleeding or a subacute hematoma formation with arterial pseudoaneurysm development can occur. In the literature, the more frequently described complications are large local hematomas after osteosynthesis with sliding hip screws. This report shows a case of delayed arterial injury after proximal femur osteosynthesis.

Keywords:
femoral fractures; vascular system injuries; bone screws; hip/surgery.

FIGURAS

Citação: Labronici PJ, Santos Filho FC, Diamantino YLO, Loureiro E, Ezequiel MCDG, Alves SD. Fratura proximal do fêmur e lesão vascular em adultos – Relato de caso*. 54(3):343. doi:10.1016/j.rbo.2017.09.003
Nota: * Trabalho desenvolvido no Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Santa Teresa, Petrópolis, RJ, Brasil. Publicado originalmente por Elsevier Ltda.
Recebido: August 16 2017; Aceito: September 19 2017
 

INTRODUÇÃO

A taxa de complicações vasculares no tratamento cirúrgico da fratura do quadril é baixa, com uma incidência de 0,2%.1 O comprometimento vascular nesta região anatômica pode ser causado por fragmentos ósseos, relacionados a razões iatrogênicas, parafusos de bloqueio das hastes intramedulares, mau posicionamento dos afastadores, perfuração com brocas ou movimentação dos fragmentos ósseos durante a redução.2 A depender do defeito na parede do vaso, a lesão pode causar um maciço sangramento intraoperatório ou formação de hematoma subagudo com desenvolvimento de pseudoaneurisma arterial. Vários autores observaram altas taxas de comprometimento vascular oculto após o uso de placas proximais no fêmur.3 Na literatura, as complicações mais frequentes relatadas são a formação de grandes hematomas locais após osteossíntese com parafuso deslizante do quadril.1-3

O objetivo do presente relato de caso é demonstrar um caso de lesão arterial tardia após osteossíntese proximal do fêmur.

 

RELATO DE CASO

Paciente do gênero masculino de 87 anos, branco, deu entrada na emergência, após 3 horas de queda, com dor, incapacidade funcional e rotação externa do membro inferior esquerdo. O exame radiográfico demonstrou fratura proximal do fêmur esquerdo, do tipo transtrocantérica e classificação AO como 31-A2. Relata diabetes mellitus tipo II, polineurite diabética, osteopenia e hipertensão arterial sistêmica.

O paciente foi tratado 24 horas após a queda com osteossíntese do tipo prego e placa deslizante do tipo DHHS Synthes (DePuy-Synthes companies of Johnson&Johnson). O procedimento ocorreu sem intercorrências (Fig. 1). Após 23 dias da cirurgia, o paciente apresentou dor súbita e impotência funcional importante do membro inferior esquerdo, com irradiação ao joelho ipsilateral e aumento do diâmetro da coxa (55 cm para 58 cm). O exame físico mostrava hipotensão arterial (90 × 60 mmHg), frequência cardíaca de 100 bpm, sudorese fria e palidez; hematócrito de 16% e hemoglobina em 58%.

O exame de ultrassonografia do quadril esquerdo demonstrou grande infiltração de partes moles com detritos na coxa, na perna e no quadrante inferior do abdome.

A arteriografia evidenciou lesão aneurismática, que se comunicava com o escape, na artéria femoral esquerda.

O cirurgião vascular optou pela colocação de dois stents na artéria femoral profunda e o paciente apresentou melhoria significativa do quadro clínico e alta hospitalar (Fig. 2).

Seis meses após a última intervenção cirúrgica, o paciente relata queixa em queimação e dor aguda pulsátil em região medial da coxa e joelho esquerdo que piorava com decúbito dorsal e melhorava ao se levantar. Foi solicitada uma angiotomografia, que identificou uma espícula óssea do trocânter menor que transpassava a artéria femoral profunda (Fig. 3A e B). O paciente foi submetido a uma nova intervenção cirúrgica para retirada de um fragmento do trocânter menor, que apresentava lesão na artéria femoral profunda, e sutura da artéria (Figs. 4 e 5). Dois dias após a intervenção cirúrgica, o paciente teve alta sem maiores intercorrências.

 

DISCUSSÃO

A incidência do comprometimento vascular após a estabilização da fratura do quadril é rara. Entretanto, quando essas complicações ocorrem, representam uma ameaça em potencial à função do membro ao longo do tempo ou podem mesmo gerar um resultado fatal.

Barquet et al4 demonstraram que a maioria das lesões vasculares é extrapélvica (91,20%) em comparação com as intrapélvicas (8,24%). No grupo de lesões extrapélvicas, houve uma alta prevalência de lesões da artéria femoral profunda e seus ramos em 78,31%. Poucos casos ocorreram nos vasos da femoral superficial (10,84%) e menos ainda que envolvessem outras artérias da coxa. Nosso paciente apresentou a lesão da artéria femoral profunda, a artéria mais comumente acometida.

Os tipos de lesão vascular incluem compressão com restrição do fluxo sanguíneo, lesão em flap da íntima com diminuição do fluxo distal, ruptura da camada íntima ou da placa de arteriosclerose com trombose arterial ou tromboembolismo, ligação cirúrgica que produz isquemia do membro, hemorragia aguda por laceração ou transecção e perfuração e progressiva erosão da artéria, que produz um pseudoaneurisma ou fístula arteriovenosa.1,5,6 Existe uma alta prevalência para erosão da artéria, que produz um pseudoaneurisma. Nosso paciente passou por dois estágios de lesão arterial. O primeiro foi o da compressão com restrição do fluxo sanguíneo, no qual desenvolveu dor na região do quadril por um ano com edema de > 3 cm da coxa, e foi tratado com uma colocação de stent da artéria. Após esse período, desenvolveu um segundo estágio, apresentou dor aguda na região inguinal, com perfuração e progressiva erosão da artéria, e desenvolveu um pseudoaneurisma.

As lesões vasculares podem ser causadas por fragmentos da fratura, predominantemente pelo trocânter menor desviado.7 Barquet et al4 demonstraram sete lesões não iatrogênicas produzidas pelo desvio do trocânter menor ou outros fragmentos ósseos, tanto em pacientes com tratamento conservador ou após a fixação cirúrgica. Alguns autores preconizam monitoramento perioperatório do trocânter menor, tanto no desvio medial como no proximal, e pode ser necessária a redução, fixação ou remoção deste fragmento.8-10 Nosso paciente apresentou uma lesão da artéria femoral profunda tardiamente com formação de um pseudoaneurisma, causada pelo trocânter menor desviado, após um ano de fratura.

Lesões vasculares após fraturas proximais do fêmur acometem mais a artéria femoral profunda. Os pseudoaneurismas são mais frequentes e revelam um diagnóstico tardio da lesão. A lesão não iatrogênica mais frequente é a causada pelo desvio do fragmento do trocânter menor.

 

REFERÊNCIAS

Karanikas I, Lazarides M, Arvanitis D, Papayanopoulos G, Exarchou E, Dayantas J. Iatrogenic arterial trauma associated with hip fracture surgery. Acta Chir Belg 1993;93(06):284–286
Klinger HM, Baums MH, Eckert M, Neugebauer R. [A comparative study of unstable per- and intertrochanteric femoral fractures treated with dynamic hip screw (DHS) and trochanteric buttpress plate vs. proximal femoral nail (PFN)]. Zentralbl Chir 2005; 130(04):301–306
Garrido-Gómez J, Garrido-GómezMN, Arrabal-Polo MA, Garrido- Pareja F, Linares-Palomino JP. Iatrogenic false aneurysms. A rare complication of hip surgery. Hip Int 2012;22(04):397–402 Link DOI
Barquet A, Gelink A, Giannoudis PV. Proximal femoral fractures and vascular injuries in adults: Incidence, aetiology and outcomes. Injury 2015;46(12):2297–2313 Link DOI
Hamoui M, Larbi A, Bommart S, Fauré P, Largey A, Canovas F. False aneurysm of perforating branch of the profunda femoris artery following intertrochanteric fracture, a rare vascular complication: clinical, radiological features and management: case report and review of the literature. Eur J Orthop Surg Traumatol 2010; 20:59–65 Link DOI
Neubauer T, Grechenig S, Leitner L, Auffarth A, Plecko M. Vascular complications in plating of the proximal femur: review. Arch Orthop Trauma Surg 2016;136(04):539–551 Link DOI
Keel JD, Eyres KS. Vascular injury by an intertrochanteric fracture fragment. Injury 1993;24(05):350–352 Link DOI
Entwisle JJ, De Nunzio M, Hinwood D. Case report: Transcatheter embolization of pseudoaneurysm of the profunda femoris artery complicating fracture of the femoral neck. Clin Radiol 2001;56 (05):424–427 Link DOI
Pradhan DJ, Juanteguy JM, Wilder RJ, Michelson E. Arterial injuries of the extremities associated with fractures. Arch Surg 1972;105 (04):582–585 Link DOI
Hanna GB, Holdsworth RJ, McCollum PT. Profunda femoris artery pseudoaneurysm following orthopaedic procedures. Injury 1994; 25(07):477–479 Link DOI

*Trabalho desenvolvido no Serviço de Ortopedia e Traumatologia, Hospital Santa Teresa, Petrópolis, RJ, Brasil. Publicado originalmente por Elsevier Ltda.