ISSN - Versão Impressa: 0102-3616 ISSN - Versão Online: 1982-4378

Resultados da Busca

Ordenar:

Mostrando de 1 até 20 de 730 resultado(s)

Busca por: O tamanho dos implantes atualmente disponíveis para a artroplastia total do quadril está adequado à nossa população?*

O tamanho dos implantes atualmente disponíveis para a artroplastia total do quadril está adequado à nossa população?*

Thiago Sampaio Busato; Gabriella Maira Rodrigues Barbosa; Anderson Emanuel Kumandala Velho; Gladyston Roberto Matioski; Lucas Dias Godoi; Juan R.V. Capriotti

Rev Bras Ortop. 2019;54(4):447-452 - Artigo Original

OBJETIVO Definir se as dimensões de alguns implantes de fabricação nacional e estrangeira utilizados nas cirurgias de artroplastia do quadril estão adequadas ao perfil antropométrico da população brasileira.
MÉTODOS Estudo retrospectivo de pacientes submetidos a cirurgia primária de substituição artroplástica total do quadril. Foram excluídos deste estudo pacientes comalterações morfológicas femorais ou acetabulares que pudessem influenciar na escolha do tamanho dos implantes, tais comosequelas de displasia, trauma, entre outras. Foramincluídos neste estudo dois implantes de fabricação nacional e seis modelos importados. Todos os pacientes foram operados pela mesma equipe, por um dos quatro autores seniores ou sob sua supervisão direta, seguindo a mesma técnica cirúrgica. Os dados foram estatisticamente analisados em relação a gênero, idade, tipo de fixação e modelo dos implantes.
RESULTADOS A análise estatística de 682 quadris submetidos a artroplastia total demonstrou que 2 modelos de hastes femorais cimentadas e 1 de haste não cimentada não estão perfeitamente adequados à morfologia femoral da população estudada, pois, na maioria dos casos, nestes 3 implantes, foi utilizado o menor tamanho disponível, resultando em uma curva não gaussiana. O diâmetro médio do acetábulo nativo foi de 54mm nos homens e de 52mm nas mulheres.
CONCLUSÃO Dos oitomodelos estudados, cinco semostraram adequados à população estudada. Outros três modelos disponíveis em nosso mercado (dois nacionais e um importado) parecem necessitar de um escalonamento mais adequado. Destacamos que são necessários estudos antropométricos do quadril da população brasileira para dar subsídios científicos ao desenho ideal dos implantes para o nosso mercado.


Palavras-chave: artroplastia de quadril; fraturas do quadril; próteses de quadril; desenho de prótese

Estudo antropométrico do joelho e sua correlação com o tamanho de três implantes disponíveis para artroplastia

Fabrício Bolpato Loures,; Rogério Franco de Araújo Góes; Idemar Monteiro da Palma; Pedro José Labronici; José Mauro Granjeiro; Beni Olej

Rev Bras Ortop. 2016;51(3):282-289 - Artigo Original
    Objetivo: Definir o perfil antropométrico do joelho em população brasileira portadora de gonartrose, com o uso da mensuração intraoperatória, e avaliar a compatibilidade de três implantes disponíveis para artroplastia total do joelho. Métodos: Foram coletados, de forma prospectiva, os dados morfométricos de 117 pacientes portadores de gonartrose. Documentaram-se seis dimensões no fêmur distal e duas na tíbia proximal em 118 joelhos, durante a artroplastia total. Esses dados foram comparados com as dimensões dos três implantes disponíveis para artroplastia total do joelho. Resultados: A análise estatística revelou que mais de um quarto dos pacientes apresentou relação inadequada entre os joelhos e as próteses. Conclusão: Os implantes avaliados necessitam de ajustes para melhor atender aos pacientes brasileiros.

O tamanho da lesão óssea acetabular é fator preditivo para a falha nas revisões de artroplastia total do quadril com enxerto impactado?

Rodrigo Pereira Guimarães; Alexandre Maris Yonamine; Carlos Eduardo Nunes Faria; Marco Rudelli

Rev Bras Ortop. 2016;51(4):412-417 - Artigo Original
    Objetivo: O presente trabalho buscou, através de uma radiografia simples anteroposterior do quadril, quantificar em milímetros a partir de qual tamanho da lesão óssea acetabular ocorre com maior frequência falha do enxerto ósseo impactado e se a medição do defeito nas radiografias simples mantém o mesmo padrão na avaliação inter e intraobservador. Métodos: Foram analisadas e aferidas retrospectivamente 38 radiografias de pacientes submetidos à revisão de prótese acetabular na incidência anteroposterior de bacia, mensurando em milímetros, no plano vertical a linha bilacrimal, a medida entre o ponto mais distante encontrado na borda óssea da osteolise acetabular, com a margem superior da cimentação ou implante acetabular nos casos não cimentados. Tomamos como base uma linha perpendicular a linha bilacrimal com o intuito de eliminar efeitos de inclinação pelvic. Essa medida foi denominada Tamanho Vertical da Falha. Radiografias pós-operatórias com quatro anos foram analisadas para averiguar falha da técnica. Resultados: No grupo estudado observamos 26,3% de falhas do enxerto que ocorreram a partir de 11 mm de tamanho da falha óssea inicial mensurada e que abaixo desse valor nenhum caso evoluiu com falha da revisão. A maior incidência da falha do enxerto ocorreu nos casos avançados segundo a classificação de Paprosky. Conclusão: A falha na artroplastia de revisão acetabular com enxerto impactado quando relacionado à medida vertical da lesão em radiografia simples anteroposterior do quadril não apresentou significância estatística como fator preditivo de falha do tratamento.

É SEGURO O CORTE FEMORAL DISTAL EM ARTROPLASTIA TOTAL DO JOELHO COM 5º A 6º DE VALGO EMPIRICAMENTE NA POPULAÇÃO GERIÁTRICA BRASILEIRA?

Fernando Cury Rezende; Márcio de Castro Ferreira; Pedro Debieux; Carlos Eduardo da Silveira Franciozi; Marcus Vinicius Malheiros Luzo

Rev Bras Ortop. 2013;48(5):421-426 - Artigo Original
Objetivo: Determinar se existe um ângulo seguro para o corte femoral distal, para que o membro resulte alinhado após uma artroplastia total de joelho (ATJ), na população geriátrica brasileira com gonartrose. Método: Foram feitas radiografias panorâmicas de 99 membros inferiores em 66 pacientes consecutivos (54 mulheres e 12 homens) portadores de gonartrose do joelho. O ângulo do corte femoral distal foi determinado pelo encontro entre o eixo mecânico femoral (EMF) e o eixo anatômico femoral (EAF). Foram calculados os valores da média, o desvio padrão e a mediana do ângulo do corte femoral distal desses pacientes diferenciados por sexo e lado. O valor médio do ângulo de corte do fêmur distal ideal aqui obtido foi comparado com o valor médio de 5,7 obtido em estudo prévio semelhante a esse feito com populações europeias de pacientes osteoartríticos submetidos a ATJ. Resultados: A média do ângulo formado pelos EAF×EMF, considerado o ângulo do corte femoral distal em uma ATJ, do grupo estudado foi de 6,05 (variação de 3o a 9o). A distribuição desse ângulo entre os sexos evidenciou uma média discretamente superior entre os homens (6,17o) em comparação com asmulheres (6,02o), porém sem significância estatística (p = 0,726). Não houve diferença estatística (p = 0,052) entre o valor médio obtido na amostra atual (6,05 - DP 1,27) com o valor médio obtido na literatura (5,7?). Entretanto, se considerarmos aceitável um erro de 3? no plano coronal, 19,7% da população operada se encontrariam fora dessa faixa aceitável se optarmos pelo corte femoral empírico de acordo com o instrumental. Conclusão: O corte femoral distal na ATJ em 5? ou 6? de valgo não é completamente seguro para a população geriátrica brasileira. Descritores - Articulação do joelho Artroplastia do joelho Osteoartrite Radiografia panorâmica

Artroplastia total em quadril anquilosado *

ANTÔNIO ANDRADE DE FREITAS; JOSÉ WAGNER DE BARROS; CÉLIO DONIZETE FERREIRA

Rev Bras Ortop. 1994;29(4):- - Artigo Original
No período de fevereiro de 1990 a setembro de 1992, 11 pacientes com quadris anquilosados foram submetidos a 14 artroplastias totais. Todos foram reavaliados clínica e radiologicamente, com seguimento médio de 28 meses. As análises realizadas subjetiva e objetivamente, segundo o método de Merle D`Aubigné & Postel, mostraram em sua maioria bons resultados.

CORTE FEMORAL DISTAL NA ARTROPLASTIA TOTAL DE JOELHO NA POPULAÇÃO BRASILEIRA

Marcos Areias Vieira Costa; Alan de Paula Mozella; Hugo Alexandre de Araujo Barros Cobra

Rev Bras Ortop. 2015;50(3):295-299 - Artigo Original
Objetivo: Determinar o ângulo ideal para feitura do corte femoral distal na artroplastia totaldo joelho em população brasileira.Métodos: Foram estudadas radiografias panorâmicas com carga dos membros inferiores em79 pacientes (57 mulheres e 22 homens), num total de 107 joelhos com indicação de artro-plastia total. Foram traçados o eixo anatômico femoral (EAF), o eixo mecânico femoral (EMF)e o ângulo cervicodiafisário (âCD). O ângulo do corte femoral distal foi determinado peloencontro entre o EMF e o EAF. O valor do valgo femoral ideal foi comparado entre homense mulheres e entre joelhos com alinhamento em varo e valgo do membro inferior. O cortefemoral distal ideal foi correlacionado ainda com o ângulo cervicodiafisário.Resultados: O ângulo do valgo femoral ideal variou de 4,2 até 8,6 graus, com média de 6,3.O corte femoral distal não mostrou diferença quando comparados pacientes com alinha-mento coronal em varo e valgo, sem significância estatística (p = 0,180). Quando comparadoshomens e mulheres, o valgo femoral ideal não mostrou diferença entre os grupos estatis-ticamente significante (p = 0,057). O ângulo cervicodiafisário mostrou relação inversa com ocorte femoral distal.Conclusões: A média do ângulo entre os eixos mecânico femoral e anatômico femoral foi de6,3 graus. Alinhamento coronal pré-operatório, assim como o sexo, não exerceu influênciano corte femoral distal. O ângulo cervicodiafisário mostrou relação inversa com o cortefemoral distal.

Fratura ipsilateral do fêmur durante a artroplastia total do quadril: revisão de 71 casos*

CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN; MARCO AURÉLIO TELÖKEN; PAULO ARLEI LOMPA; RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA; LEONARDO CARBONERA BOSCHIN; GERSON SANTA CATHARINA; RICARDO CANQUERINI DA SILVA

Rev Bras Ortop. 2002;37(4):- - Artigo Original
De janeiro de 1984 até março de 1999, ocorreram 71 casos de fratura transoperatória do fêmur durante 4.500 artroplastias totais do quadril realizadas no Serviço de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (SOT-SCM/POA). Todos os casos foram de artroplastias primárias, classificadas de acordo com Johansson. Vinte e oito pacientes eram homens e 43, mulheres. A mais freqüente indicação para artroplastia total do quadril foi a osteoartrite (63 casos). A média de idade foi de 58,6 anos. A ocorrência foi maior nas próteses não cimentadas (57 vezes) e, em 14 vezes, em próteses cimentadas. Na maioria dos casos, por se tratar de fraturas estáveis, a simples observação foi a conduta adotada (39 casos). Outros tipos de tratamento utilizados foram: uso de haste longa, cerclagem, placas e parafusos. Os melhores resultados foram obtidos quando a resolução foi feita no próprio ato cirúrgico em que ocorreu a fratura.

Artroplastia total de quadril híbrida: estudo com sete a nove anos de seguimento*

PAULO GILBERTO CIMBALISTA DE ALENCAR; OTÁVIO LAZZARIS ANACLETO; LEONARDO CARBONERA BOSCHIN

Rev Bras Ortop. 2002;37(6):- - Artigo Original
Os autores analisaram 46 artroplastias totais primárias híbridas de quadril (componente femoral cimentado e componente acetabular não cimentado), realizadas em 34 pacientes entre setembro de 1992 e outubro de 1993, em que foi empregada a mesma técnica cirúrgica e o mesmo tipo de implante. Foram operações consecutivas, sem exclusões. Nove pacientes (12 quadris) faleceram por causas não relacionadas com a operação. Apenas um paciente (dois quadris) não foi localizado para reavaliação; portanto, houve inclusão de 97,1% de todos os pacientes dentro dos critérios estabelecidos. O tempo de seguimento médio foi de 8,13 anos (mínimo de sete e máximo de nove anos). Os resultados, analisados segundo os critérios de D`Aubigné e Postel, mostraram média de 5,81 para dor, 4,93 para marcha e 5,5 para mobilidade. Duas artroplastias foram revisadas para troca do polietileno devido a desgaste, sem necessidade de substituição dos implantes metálicos do acetábulo nem das hastes femorais. Um paciente, assintomático, apresenta soltura asséptica do componente femoral e aguarda cirurgia de revisão. Obteve-se índice de sucesso de 87,5% após o tempo de pós-operatório de 8,13 anos, em média. A sobrevivência do componente femoral foi de 96,8% e a do componente metálico acetabular, de 100%.

Artroplastia do quadril com a prótese total de Charnley. Bases biomecânicas. Técnica casuística pessoal. Impressões preliminares*

DANILO GONÇALVES

Rev Bras Ortop. 2003;38(7):- - Artigo Original
As desordens funcionais do quadril, por sua elevada incidência e difícil tratamento, sempre constituíram desafio e motivação à argúcia dos ortopedistas. As operações de: Girdlestone, Hackenbroch, Putti, Royal Whitman, e mesmo os implantes unitários de Smith Petersen, de Robert e Jean Judet e de Thompson, em que pese a contribuição que trouxeram à cirurgia reconstrutiva do quadril, falharam em considerável proporção, pela incapacidade de restaurar o acetábulo, igualmente atingido pelas lesões degenerativas, simultâneas, ou complicando a substituição protética da cabeça femoral. A apreciação realista desse fato, ou seja, de que as doenças degenerativas do quadril atacam tanto a cabeça femoral quanto o cótilo, impondo-se, portanto, uma solução radical para o problema, conduziu Charnley (1966), assistido por especialistas em metalurgia da Universidade de Leeds, a revolucionar o seu tratamento, através da notável concepção biomecânica da prótese total "de baixa fricção", com um componente femoral de aço inoxidável e outro acetabular de plástico, de superfícies com polimento perfeito, articulando-se em estreita coaptação cujas experiências se iniciaram em 1958. McKee e Farrar (1966), encarando o problema sob o mesmo ângulo sem, entretanto, cogitar da redução do torque friccional, criaram uma prótese em que ambas as partes são de cromo-cobalto. As próteses metal-plástico (MP) e metal-metal (MM) representam os tipos básicos de próteses totais. Em Stanmore, os cirurgiões e pesquisadores do Royal National Orthopaedic Hospital desenvolveram próteses de ambos os tipos.

Artroplastia total do quadril associada a osteotomia femoral nas deformidades do 1/3 proximal do fêmur*

PAULO GILBERTO CIMBALISTA DE ALENCAR; MARCEL LUIZ BENATO; RICHARD PRAZERES CANELLA; GUSTAVO ROBERTO PEREIRA

Rev Bras Ortop. 2003;38(9):- - Artigo Original
A artrose do quadril, quando associada a deformidades da extremidade proximal do fêmur, causa dificuldades técnicas para a realização da artroplastia total do quadril (ATQ). Quando a deformidade é acentuada, a osteotomia femoral subtrocantérica associada à ATQ não-cimentada é uma das opções a adotar. Foram avaliados seis pacientes, tratados entre janeiro de 1990 e junho de 1998. O tempo de seguimento médio pós-operatório foi de oito anos (mínimo de três anos e quatro meses, máximo de 13 anos e um mês). Clinicamente, todos os pacientes estavam satisfeitos com relação ao alívio da dor, melhora da capacidade de marcha e aumento da mobilidade articular. Todas as osteotomias consolidaram-se de modo primário e na última avaliação não foram observados sinais de soltura dos componentes acetabulares ou femorais. Um paciente apresentou luxação da prótese cinco semanas após a operação, que foi reduzida de modo incruento, sem novos episódios. Com base nos resultados dos autores, a associação de osteotomia com ATQ mostrou-se método eficiente para tratamento de coxartroses acompanhadas por deformidades da extremidade proximal do fêmur ipsilateral.

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO HEPÁTICA EM PACIENTES SUBMETIDOS À ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL EM USO DE ENOXAPARINA

Felipe Vitiello Wink; Carlos Roberto Schwartsmann

Rev Bras Ortop. 2010;45(2):148-150 - Artigo Original
Objetivo: Avaliar as alterações hepáticas decorrentes do uso de enoxaparina para profilaxia da trombose venosa profunda em pacientes submetidos à artroplastia total do quadril. Métodos: Trinta e dois pacientes submetidos à artroplastia total do quadril, em caráter eletivo, utilizando enoxaparina, foram acompanhados por 65 dias com dosagens seriadas das enzimas hepáticas. Resultados: Foram encontradas alterações laboratoriais em até 75% dos pacientes durante o estudo, que normalizaram após a suspensão do tratamento. Não houve manifestação clínica de lesão hepática. Conclusão: As enzimas hepáticas elevam-se na maioria dos pacientes em uso de enoxaparina, sem correlação clínica, e normalizam após a suspensão do tratamento. Descritores - Enoxaparina; Artroplastia de quadril; Insuficiência hepática; Trombose venosa.

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES OSTEOARTRÓSICOS SUBMETIDOS A ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL

Elmano de Araújo Loures; Isabel Cristina Gonçalves Leite

Rev Bras Ortop. 2012;47(4):498-504 - Artigo Original
Objetivo: O objetivo do estudo foi a avaliação da qualidade de vida relacionada com a saúde em pacientes afetados por osteoartrose do quadril e tratados por artroplastia total do quadril. Métodos: Estudou-se, prospectivamente, uma coorte de 38 pacientes operados em hospital universitário de referência regional pelo mesmo cirurgião no ano de 2010 e acompanhados durante, no mínimo, seis meses até atingirem reabilitação satisfatória. Cada paciente respondeu ao formulário SF-36 e teve o Harris Hip Score estabelecido imediatamente antes da operação e aos seis meses de seguimento. Os resultados dos testes pré e pós-operatórios foram analisados e comparados com a literatura. Resultados: Os resultados pré e pós-operatórios do SF-36 foram: capacidade funcional - 13,4-53,7; limitação por aspectos físicos - 9,21-48,0; dor - 23,1-62,6; estado geral de saúde - 54,2-71,3; vitalidade - 40,3-69,9; aspectos sociais - 40,8-74,3; limitação por aspectos emocionais - 23,7-64,9; saúde mental - 52,6-80,4. O Harris Hip Score variou de 36,1 a 92,1, em média. Todos os resultados foram estatisticamente significantes (p < 0,001). Conclusões: A combinação de duas escalas mostrou-se valiosa na identificação de vieses e conferiu maior confiabilidade na compreensão das diversas variáveis. O estudo demonstra uma significativa melhora na qualidade de vida relacionada com a saúde em pacientes afetados por osteoartrose de diferentes etiologias e que foram submetidos à artroplastia total do quadril. A avaliação da qualidade de vida não substitui a avaliação clínica provida por instrumentos específicos e pela experiência do cirurgião, mas pode adicionar dados importantes ao valorizar o conjunto de expectativas do paciente perante um tratamento médico e ser considerada um instrumento eficiente na análise de resultados da artroplastia total do quadril. Descritores - Quadril; Osteoartrose; Artroplastia de Quadril; Qualidade de Vida.

Artroplastia total de joelho e quadril: a preocupante realidade assistencial do Sistema Único de Saúde brasileiro

Marcio de Castro Ferreira; Julio Cesar Pinto Oliveira; Flavio Ferreira Zidan; Carlos Eduardo da Silveira Franciozi; Marcus Vinicius Malheiros Luzo; Rene Jorge Abdalla

Rev Bras Ortop. 2018;53(4):432-440 - Artigo Original

OBJETIVO: Analisar o número de autorizações de internação hospitalar para cirurgias de artroplastia total de joelho (ATJ) e quadril (ATQ) no Brasil entre 2008 e 2015 e correlacioná-lo com aspectos demográficos e epidemiológicos regionais, nacionais e internacionais.
MÉTODOS: Os dados sobre informativos demográficos, econômicos e sobre ATJ e ATQ foram obtidos no website do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Agência Nacional de Saúde (ANS) e Ministério da Saúde/Datasus para avaliar o assistencialismo do Sistema Único de Saúde (SUS) em artroplastias para a população idosa brasileira sem planos de saúde privados.
RESULTADOS: As Regiões Sul e Sudeste apresentaram a melhor relação assistencial, com 8,07 e 6,07ATJ/100.000 habitantes e uma ATJ para 1.811 e 2.624 idosos e 17,3 e 10,99ATQ/100.000 habitantes e uma ATQ para 923 e 1.427 idosos, respectivamente. Os piores índices foram do Norte e Nordeste, com 0,88 e 0,98 ATJ/100.000 e uma ATJ para 6.930 e 10.411 idosos e 0,96 e 3,25 ATQ/100.000 e uma ATQ para 6.849 e 2.634 idosos, respectivamente. A média nacional foi de 4,00 ATJ/100.000 e uma ATJ para 3.249 idosos e 8,01 ATQ/100.000 e uma ATQ para 1.586 idosos. A média internacional foi de 142,8 ATJ/100.000 e 191,8 ATQ/100.000.
CONCLUSÃO: Os resultados indicaram resultados assistenciais insatisfatórios para ATJ e ATQ no Brasil, principalmente nas regiões Norte e Nordeste.


Palavras-chave: Artroplastia; Joelho; Quadril.

NOVAS SUPERFÍCIES EM ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL

Carlos Roberto Schwartsmann; Leonardo Carbonera Boschin; Ramiro Zilles Gonçalves; Anthony Kerbes Yépez; Leandro de Freitas Spinelli

Rev Bras Ortop. 2012;47(2):154-159 - Atualização
A artroplastia total do quadril tem sido indicada cada vez mais em pacientes mais jovens e ativos, além de haver uma natural e crescente demanda do procedimento em função do aumento da expectativa de vida dos pacientes. Os altos custos da cirurgia e as controvérsias da performance dos implantes fazem deste assunto objeto de constantes pesquisas na busca de novos materiais com melhores resistências ao desgaste e biocompatibilidade. O presente artigo abrange um estudo de revisão das novas superfícies em artroplastia total do quadril. Descritores - Artroplastia de Quadril/história; Artroplastia de Quadril/métodos; Artroplastia de Quadril/estatística & dados numéricos.

Autotransfusão sanguínea em artroplastia total do quadril

PAULO G. C. DE ALENCAR; JOHNNY CAMARGO; ALEXANDRE TADEU MEYER; LÚCIO ERNLUND; SÉRGIO MOLINARI

Rev Bras Ortop. 1994;29(6):- - Artigo Original
Foram feitas coletas de sangue no período pré-operatório em 91 pacientes submetidos a 107 artroplastias totais do quadril, com o objetivo de ser utilizado para autotransfusão. Foram coletadas 220 unidades de sangue e reinfundidas 197 (média de 2,05 e 1,84 unidades por operação, respectivamente). Houve necessidade de complementação com sangue homólogo em quatro ocasiões (3,62%). Os critérios de indicação de transfusão foram baseados na evolução clínica dos pacientes. Apenas o valor do volume globular baixo não foi considerado como indicação de transfusão. Não houve complicações que pudessem ser atribuídas à coleta ou utilização do sangue autólogo. A evolução clínica dos pacientes foi normal em todos os casos. Não houve caso de infecção. Notou-se um esforço coletivo por parte de todos da equipe cirúrgica para redução de transfusão sanguínea. Isso resultou em menor utilização do estoque do banco de sangue e maior segurança para os pacientes, evitandose os riscos da transfusão de sangue homólogo.

Artroplastia total de quadril minimamente invasiva *

LEONARDO CARBONERA BOSCHIN; MARCO AURÉLIO TELOKEN; LUÍS ALBERTO RUBIN; MARLON SCHLEDER CORREA; PABLO MARIOTTI WERLANG; CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN

Rev Bras Ortop. 2003;38(11/12):- - Artigo Original
A artroplastia total de quadril é comumente realizada utilizando abordagem posterior através de uma incisão com 15-25cm de comprimento. A abordagem modificada da via posterior permite que a artroplastia total de quadril seja realizada através de uma incisão com 7-10cm (34 polegadas). A maioria dos pacientes com índice de mas-sa corporal menor do que 30 que não apresentam cirurgias prévias é candidata a essa abordagem. A incisão é centra-da no aspecto posterior da grande trocanter e afastadores especialmente desenhados para esse tipo de cirurgia são utilizados. Tanto implantes cimentados como não cimentados foram utilizados. Os pacientes recebem profilaxia farmacológica antitrombolítica e antibiótica e seguem um protocolo de reabilitação pós-operatório básico. Uma revisão dos primeiros 22 casos operados desde abril de 2002 demonstrou que o tempo cirúrgico médio foi de 113 minutos; o tamanho médio da incisão foi de 86mm; o sangramento intra-operatório foi de 388mm e o pós-operatório, de 581mm. O índice de dor pós-operatório foi de 3,14. Não houve casos de infecção profunda, luxação ou lesão neurovascular, bem como falência ou afrouxamento precoces.

Análise da evolução do enxerto autólogo da cabeça femoral em pacientes com protrusão acetabular submetidos à artroplastia total do quadril*

WESLEY MAX RAMOS; LUIZ AURÉLIO MESTRINER; EDMILSON TAKEHIRO TAKATA; CARLOS FRANCISCO DE MOLLA; JOSÉ LAREDO FILHO

Rev Bras Ortop. 1999;34(1):- - Artigo Original
Os autores apresentam os resultados obtidos nas artroplastias totais do quadril em pacientes portadores de protrusão acetabular, utilizando a cabeça femoral como enxerto autógeno, não delaminado, e, em forma semi-esfé-rica, com o objetivo de reforçar a parede acetabular medial. Foram operados 16 pacientes (19 quadris) com diagnóstico de osteoartrose (sete), artrite reumatóide (seis), lúpus eritematoso sistêmico (um), artrite psoriática (um) e seqüela de pioartrite (um); oito (42,10%) quadris apresentavam protrusões de grau III, nove (47,37%) de grau II e dois (10,53%) de grau I. Os resultados foram considerados satisfatórios em todos os pacientes, de acordo com o método de avaliação de Merle d`Aubigné (1970).

AVALIAÇÃO DA VELOCIDADE DE HEMOSSEDIMENTAÇÃO E DA PROTEÍNA C-REATIVA EM PACIENTES SUBMETIDOS À ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL

CRISTIANO NAZARETH LARA; EULER CARVALHO GUEDES; CARLOS CÉSAR VASSALO; LÚCIO HONÓRIO DE CARVALHO JÚNIOR

Rev Bras Ortop. 2005;40(4):- - Artigo Original
Foi realizado estudo prospectivo em pacientes submetidos à artroplastia total do quadril primária, isentos de complicações, avaliando os resultados da proteína C-reativa (PCR) e da velocidade de hemossedimentação (VHS). As avaliações ocorreram no pré-operatório, 24 horas, 72 horas, uma semana, 30, 60 e 90 dias pós-cirurgia. Objeti-vou-se a avaliação da variação normal dos valores desses exames em uma situação pós-artroplastia do quadril. Como metodologia estatística foram utilizados o teste nãoparamétrico de Kruskal-Wallis e o aplicativo Epitable do Epi Info. Concluindo, observou-se normalização dos valores da PCR nos primeiros 30 dias pós-operatórios. A VHS também assumiu valores considerados normais entre 30 e 60 dias depois da cirurgia. Descrições - Artroplastia total de quadril; estudo prospectivo; proteína C-reativa; hemossedimentação.

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE RIVAROXABAN E ENOXAPARINA NA PROFILAXIA DE TROMBOEMBOLISMO VENOSO PROFUNDO EM PACIENTES SUBMETIDOS À ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL

PEDRO SILVA KANAN; CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN; LEONARDO CARBONERA BOSCHIN; SAMUEL CONRAD; MARCELO FARIA SILVA

Rev Bras Ortop. 2008;43(8):319-328 - Artigo Original
Objetivo: Comparar a eficácia e segurança de rivaroxaban com a enoxaparina na profilaxia de trombose venosa profunda (TVP) após artroplastia total de quadril. Métodos: No período de setembro de 2006 a abril de 2007, no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Complexo Hospitalar da Santa Casa de Porto Alegre/RS, foi realizado um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, em que foram selecionados 67 pacientes, todos submetidos à artroplastia total de quadril (ATQ). Desses, foram excluídos dois pacientes por falta de adesão à profilaxia proposta após a alta hospitalar. Para um dos grupos foi administrada enoxaparina 40mg, subcutânea seis a oito horas antes da cirurgia e, depois desta, foi adicionado um comprimido de placebo, via oral, durante os primeiros 32 a 36 dias, uma vez ao dia. O outro grupo recebeu rivaroxaban 10mg, via oral, uma vez ao dia, durante os primeiros 32 a 36 dias pós-operatórios. Para fazer o cegamento dos grupos foi administrada uma injeção de placebo subcutâneo seis a oito horas antes da cirurgia e nos 32 a 36 dias subseqüentes. O desfecho principal estudado foi a eficácia na prevenção de TVP, que foi avaliada através de venografia bilateral realizada entre os dias 32 e 36 de pós-operatório e/ou através de sintomas documentados de trombose venosa profunda ou tromboembolismo pulmonar (TEP). O desfecho secundário estudado foi segurança na posologia, avaliada através de sangramento importante e/ou hepatotoxicidade. Resultados: Rivaroxaban e enoxaparina tiveram resultados semelhantes (as diferenças não foram estatisticamente significativas), quando comparados quanto à redução da incidência de TVP até o 36o dia pós-operatório. Não houve diferença quanto à perda sanguínea e a hepatotoxicidade, quando comparadas as drogas. Conclusão: Em pacientes submetidos à artroplastia total de quadril, o rivaroxaban mostrou-se igualmente eficaz e seguro quanto a enoxaparina na prevenção de trombose venosa profunda e tromboembolismo pulmonar.Descritores - Trombose venosa/ prevenção & controle; Embolia pulmonar /prevenção & controle; Artroplastia de quadril; Enoxaparina; Heparina; Estudo comparativo.

Profilaxia com descolonização nasal em pacientes submetidos a artroplastia total de joelho e quadril: revisão sistemática com metanálise

Rev Bras Ortop. 2017;52(6):631-637 - Artigo de Revisão
    Apesar da evolução dos resultados após a artroplastia total de joelho (ATJ) e quadril (ATQ), ainfecção ainda é uma das causas mais desafiadoras para o cirurgião. Em virtude da gravidadee dificuldade do tratamento da infecção articular periprotética, foram criados protocolos deprofilaxia para esse tipo de complicação. O objetivo deste estudo foi avaliar a profilaxia infec-ciosa com a descolonização nasal prévia contra Staphylococcus aureus resistente à meticilina(MRSA), identificados por meio da coleta de material da nasofaringe por swabs em pacientescom programação cirúrgica de ATJ e ATQ. Foi elaborado um estudo de revisão sistemáticacom metanálise que usou o protocolo PRISMA-2015, no qual foram utilizados os descrito-res: arthroplasty e nasal decolonization ou joint arthroplasty e decolonization ou joint arthroplastye nasal decolonization na língua inglesa. Foram selecionados quatro estudos observacionaisdentre as 79 referências identificadas. A amostra total foi de 10.179 pacientes, divididos emdois grupos: controle (4.788 pacientes) e intervenção (5.391 pacientes). Foi observado que, nogrupo de intervenção, no qual a profilaxia com descolonização nasal foi aplicada, 59 (1,09%)dos pacientes desenvolveram infecção do sitio cirúrgico (ISC), enquanto a ISC foi observadaem 86 (1,79%) dos pacientes no grupo controle. Essa tendência se repetiu em todos os artigosestudados, não sendo observador viés de publicação, constituindo em uma amostra homo-gênea. A profilaxia pré-operatória com descolonização nasal para MRSA, reduz em 39% oscasos de infecção pós-artroplastias do joelho, devendo ser considerada como um protocolocomplementar pelos cirurgiões.

Filtrar

Anos


Tipos de artigos