ISSN - Versão Impressa: 0102-3616 ISSN - Versão Online: 1982-4378

Resultados da Busca

Ordenar:

Mostrando de 1 até 20 de 529 resultado(s)

Busca por: Estudo prospectivo sobre o impacto do uso do selante de fibrina humano livre de agentes estabilizadores de coágulo na artroplastia total de joelho*

Estudo prospectivo sobre o impacto do uso do selante de fibrina humano livre de agentes estabilizadores de coágulo na artroplastia total de joelho*

Douglas Mello Pavão; Guilherme Mathias Palhares; Rodrigo Satamini Pires e Albuquerque; Eduardo Branco de Sousa; João Maurício Barretto

Rev Bras Ortop. 2019;54(3):322-328 - Artigo Original

OBJETIVO O objetivo do presente estudo foi avaliar os resultados do uso tópico intraoperatório do selante de fibrina humano livre de agentes estabilizadores de coágulo em pacientes com osteoartrite (OA) submetidos a artroplastia total de joelho (ATJ), buscando diferenças entre os grupos em relação à perda sanguínea, à necessidade transfusional, ao tempo de internação hospitalar, à percepção de dor, à amplitude de movimento e à incidência de complicações.
MÉTODOS Foram analisados prospectivamente um grupo de intervenção (Selante) com 32 pacientes e um grupo controle (Controle) com 31 pacientes, com OA sintomática dos joelhos, submetidos a ATJ.
RESULTADOS Os resultados foram semelhantes entre os grupos, em relação à perda sanguínea visível no dreno em 24 horas (Controle 276,5 mL ± 46,24 versus Selante 365,9 mL ± 45,73), à perda sanguínea total em 24 horas (Controle 930 mL ± 78 versus Selante 890 mL ± 67) e em 60 horas de pós-operatório (Controle 1.250 mL ± 120 versus Selante 1.190 mL ± 96), à necessidade de hemotransfusão (ocorreu em apenas 1 controle), ao tempo de dias na permanência hospitalar (Controle 5,61 ± 0,50 [n = 31] versus Selante 4,81 ± 0,36), dor pós-operatória e amplitude de movimento. O uso do agente selante de fibrina não se relacionou à ocorrência de complicações da cicatrização de ferida, de infecção ou de trombose venosa profunda.
CONCLUSÃO Concluímos que o agente hemostático de fibrina humana não foi eficaz em reduzir o volume de sangramento e a necessidade de hemotransfusão ou em interferir no tempo de internação hospitalar, na percepção de dor e na amplitude de movimento. Seu uso não se relacionou a nenhuma complicação.


Palavras-chave: artroplastia de joelho; osteoartrite; perda sanguínea; selante de fibrina.

Avaliação do uso do ácido tranexâmico em artroplastia total do joelho

Mariana Diana Chaves de Almeida; Rodrigo Pires e Albuquerque; Guilherme Mathias Palhares; Juliana Patrícia Chaves de Almeida; João Mauricio Barretto; Naasson Cavanellas

Rev Bras Ortop. 2018;53(6):761-767 - Artigo Original

OBJETIVO: Avaliar a eficácia do ácido tranexâmico na redução do sangramento em pacientes submetidos a artroplastia total de joelho.
MÉTODOS: Foram randomizados 101 pacientes em dois grupos: grupo ácido tranexâmico (n = 51) e grupo placebo (n = 50). Os pacientes foram comparados nos quesitos redução da hemoglobina, perda sanguínea total estimada, débito do dreno e taxa de hemotransfusãopós-operatória.
RESULTADOS: Na comparação entre os grupos, observou-se diferença estatística (p < 0,05) nos seguintes parâmetros: redução da hemoglobina, redução do hematócrito, perda sanguínea estimada e débito do dreno. Todos os valores foram menores no grupo do ácido tranexâmico. Somente pacientes do grupo placebo necessitaram de hemotransfusão.
CONCLUSÃO: O uso de ácido tranexâmico intravenoso é eficaz para reduzir o sangramento dos pacientes submetidos a artroplastia total de joelho.


Palavras-chave: Ácido tranexâmico; Sangramento; Ortopedia; Artroplastia do joelho; Transfusão de sangue; Volume sanguíneo

Influência do grau de artrose femoropatelar no resultado da artroplastia total do joelho, sem o uso do componente patelar*

RAIMUNDO ERI DE ARAÚJO BARBOSA; LUCIANO DA ROCHA LOURES PACHECO; PAULO GILBERTO CIMBALISTA DE ALENCAR

Rev Bras Ortop. 2003;38(8):- - Artigo Original
Os autores apresentam estudo retrospectivo de 46 artroplastias totais primárias de joelho em 43 pacientes (três bilaterais), realizadas no período de janeiro de 1996 a outubro de 1999. Nos casos em que não foi utilizado componente patelar, o grau de artrose femoropatelar pré-opera-tório foi classificado, sendo os pacientes divididos em grupos de comprometimento articular leve (I), moderado (II) e grave (III), e comparados com grupo controle (IV), em que a substituição da superfície articular da patela foi realizada. Em todos os casos foi utilizado um único mode-lo de prótese e o diagnóstico foi de osteoartrose, sendo excluídas do trabalho operações em pacientes com doenças inflamatórias e de natureza sistêmica, de modo a permitir avaliação de um grupo de pacientes mais homogêneo. Nenhum paciente deixou de ser avaliado ou teve seu seguimento perdido. O tempo médio entre a operação e a última avaliação foi de 28,9 meses, com mínimo de 18 e máximo de 42 meses. A média de idade foi de 69,6 anos, variando entre 53 e 82 anos. A avaliação pelos critérios do sistema clínico de pontuação de joelho do Hospital for Special Surgery (HSS), realizada por único examinador, apresentou pontuação média de 85,22 (para um total de 100), com 25,54 pontos (num total de 30) para o item dor. As amostras foram testadas nas variáveis idade, tempo de seguimento e HSS em todos os grupos. Os resultados indicaram não existir diferença estatisticamente significante na utilização ou não do componente patelar em artroplastia total do joelho, independentemente do grau de artrose femoropatelar pré-operatório.

Estudo comparativo com uso do ácido tranexâmico tópico e intravenoso em relação à perda sanguínea na artroplastia total do joelho

Ari Zekcer,; Ricardo Del Priori; Clauber Tieppo; Ricardo Soares da Silva; Nilson Roberto Severino

Rev Bras Ortop. 2017;52(5):589-595 - Artigo Original
    Objetivo: Comparar o uso de ácido tranexâmico (AT) tópico e intravenoso na artroplastia total de joelho com relação à perda de sangue e necessidade de transfusão. Métodos: Foram randomizados 90 pacientes para receber AT por via intravenosa (20 mg/kg em 100 mL de solução salina; grupo IV), tópico (1,5 g em 50 mL de solução salina, antes de soltar o torniquete; grupo tópico) ou solução salina intravenosa (100 mL com anestesia; grupo controle). O volume de sangue drenado em 48 horas, a quantidade de sangue transfundido e as concentrações sérias de hemoglobina e hematócrito foram avaliados antes e depois da cirurgia. Resultados: Os grupos eram semelhantes quanto a sexo, idade, lateralidade e concentrações pré-operatórias de hemoglobina e hematócrito (p > 0,2). A concentração de hemoglobina diminuiu em todos os grupos quando as avaliações pré-operatória e em 48 horas foram comparadas: o grupo controle teve redução média de 3,8 mg/dL, enquanto o grupo IV teve diminuição de 3,0 e o grupo tópico, de 3,2 (p = 0,019). A diferença entre os grupos controle e IV foi confirmada pelo teste de Bonferroni (p = 0,020). A diferença entre os grupos controle e tópico não foi significativa (p = 0,130), apesar de haver uma menor diminuição da hemoglobina no grupo tópico; a comparação entre os grupos IV e tópico também não foi significativa (p = 1,000).Conclusão: O uso de AT tópico e IV reduziu as perdas sanguíneas e a necessidade de transfusão na artroplastia total do joelho. O uso tópico mostrou resultado semelhante ao uso IV em relação à necessidade de transfusão sanguínea, porém sem os possíveis efeitos colaterais da administração IV.

O uso do manguito pneumático em pacientes submetidos a artroplastia total do joelho com ou sem calcificação da artéria poplítea

Thiago Vivacqua; Murilo Barroso; Pedro Matos; Rodrigo Pires de Albuquerque; Naasson Cavanellas; João Maurício Barretto

Rev Bras Ortop. 2018;53(2):165-170 - Artigo Original

OBJETIVO: Identificar as complicações clínicas e cirúrgicas associadas ao uso de torniquete na artroplastia total de joelho em pacientes com ou sem calcificação da artéria poplítea.
MÉTODOS: O estudo foi feito de modo retrospectivo, analisou 64 pacientes com calcificação da artéria poplítea e 57 pacientes como grupo controle.
RESULTADOS: Os pacientes do grupo de casos eram significativamente mais velhos do que os pacientes do grupo controle. Entretanto, tal fato não teve repercussão quanto ao desfecho clínico no período analisado. Não houve complicações durante o ato cirúrgico nos grupos estudados, bem como não houve diferenças estatisticamente significantes entre a incidência de intercorrências locais ou sistêmicas no período analisado.
CONCLUSÃO: O presente estudo observou baixos índices de complicações em pacientes submetidos a artroplastia total do joelho com uso de torniquete com ou sem calcificação da artéria poplítea.


Palavras-chave: Artroplastia do joelho; Complicações pós-operatórias; Torniquetes; Artéria poplítea.

FRATURAS PERIPROTÉTICAS EM ARTROPLASTIA TOTAL DE JOELHO

Paulo Gilberto Cimbalista de Alencar; Giovani De Bortoli; Inácio Facó Ventura Vieira; Christiano Saliba Uliana

Rev Bras Ortop. 2010;45(3):230-235 - Atualizaçao
A associação do maior número de artroplastias totais de joelho com a maior expectativa de vida da população tem levado a mais complicações de longo prazo, que se somam à baixa qualidade óssea dos pacientes mais idosos e culminam, muitas vezes, em fraturas periprotéticas. Este complexo problema ortopédico tem apresentação clínica muito variável, podendo acometer quaisquer dos ossos do joelho e levar a resultados desastrosos, em virtude de sua difícil solução. O seu tratamento exige do ortopedista amplo conhecimento tanto de técnicas de artroplastia como de osteossíntese, além de elaborado arsenal terapêutico como, por exemplo, acesso a banco de ossos. Descritores - Fraturas periprotéticas; Artroplastia do joelho; Atualização.

NAVEGAÇÃO NA ARTROPLASTIA TOTAL DO JOELHO

Roberto Freire da Mota e Albuquerque

Rev Bras Ortop. 2011;46(1):18-22 - Atualizaçao
A navegação foi o avanço mais significativo na instrumentação da artroplastia total do joelho na última década. Confere ao cirurgião uma ferramenta de precisão na execução da operação, a possibilidade de simulação intraoperatória e o controle objetivo de vários parâmetros e referências anatômicas e cirúrgicas. Desde os primeiros sistemas que controlavam basicamente o alinhamento dos cortes ósseo em referência ao eixo mecânico do membro inferior, vários outros passos foram sendo incorporados, como a rotação dos componentes, o balanço ligamentar e a simetria dos espaços de flexão e extensão, entre outros. Sua eficácia como instrumento de precisão com capacidade efetiva de promover um melhor alinhamento do eixo do membro inferior está amplamente comprovada na literatura; entretanto, o real valor do alinhamento otimizado e o impacto da navegação sobre os resultados clínicos e a longevidade da artroplastia ainda estão por serem estabelecidosDescritores - Joelho; Artroplastia; Navegação; Cirurgia Assistida por Computador.

Artroplastia total de joelho em pacientes obesos

MAURO MEYER; BERNARD F&#193;BIO MEYER; ERNO THOBER

Rev Bras Ortop. 2000;35(3):- - Artigo Original
Utilizando o índice de massa corporal (IMC), os autores classificaram 18 pacientes como obesos entre 112 que se submeteram à artroplastia total do joelho durante o ano de 1998. Analisaram o IMC atual comparado com o da véspera do procedimento e o grau de atividade física. Constataram que os pacientes obesos conseguem reduzir o IMC após a artroplastia e aumentar as suas atividades físicas a níveis anteriores ao do início da patologia. Unitermos - Índice de massa corporal (IMC); obesidade; artroplastia total de joelho

Revisão de artroplastia total do joelho*

LAIS TURQUETO VEIGA; ALFREDO M. VILLARDI; IDEMAR M. DA PALMA

Rev Bras Ortop. 2001;36(1/2):- - Artigo Original
No período entre agosto de 1996 e outubro de 1999, os autores realizaram 25 revisões de artroplastia total de joelho em 24 pacientes. A idade variou de 65 a 86 anos, com média de 73 anos. Vinte e um pacientes eram do sexo feminino. Das artroplastias primárias, 11 eram AMK; cinco, Freeman; três, PCA; duas, Osteonics; duas, Baumer; uma, LCS; e uma, Alone. A principal causa da revisão foi o afrouxamento da plataforma tibial em 13 pacientes (52%). Nas revisões foi utilizado o Coordinate Revision Knee System, com os resultados avaliados pelo New Jersey Score, sendo considerados excelentes em 28% dos casos, bons em 56%, regulares em 12% e insuficientes em 4%. Os autores concluem que o sistema Coordinate mostrou-se confiável, proporcionando resultados bastante satisfatórios nas revisões de artroplastia total do joelho.

Artroplastia total do joelho em osteoartrose*

LUIZ AURÉLIO MESTRINER; JOSÉ LAREDO FILHO

Rev Bras Ortop. 1993;28(1/2):- - Artigo Original
Os autores apresentam um estudo a curto prazo da utilização da prótese condilar total com estabilização posterior (PCT-EP) em 21 pacientes e 26 joelhos artrosicos. Os resultados são analisados segundo a escala padrão de pontuações doHospital for Special Surgery,com atenção especial aos parâmetros dor, instabilidade, função e arco de movimento. O tempo de seguimento variou de seis a 42 meses (média de 18,7) e os resultados foram classificados em excelentes e bons em 80,8%, reguIares em 3,8% e maus em 15,4%. As complicações locais e loco-regionais, tais como necrose de pele e deiscência de sutura (19%) e infecção (3,8%), tiveram influência importante nos resultados. A conclusão é que este tipo de artroplastia se mostrou satisfatório tanto em relação aos parâmetros funcionais como à técnica de implantação.

Acesso subvasto para artroplastia total do joelho

JOÃO MAURÍCIO BARRETTO, MÁRCIO C. MALTA, GERALDO ROCHA MOTTA, CLAUDIA ROCHA CALDAS, LUIZ EDUARDO CARDOSO AMORIM

Rev Bras Ortop. 1998;33(5):- - Artigo Original

Os autores relatam sua experiência com o acesso sub-vasto em 63 artroplastias primárias do joelho, em pacientes sem desvio de eixo ou com deformidade em varo. Em apenas um paciente houve impossibilidade de adequada exposição articular. Consideram ser essa uma abordagem segura e ressaltam o fato de ser acesso mais anatômico que o transquadricipital, com possíveis vantagens vasculares e funcionais.

Tromboprofilaxia na artroplastia total do joelho*

Julio Cesar Gali; Danilo Bordini Camargo

Rev Bras Ortop. 2019;54(1):1-5 - Artigo de Revisao

Os autores descrevem uma atualização dos principais métodos de prevenção da trombose venosa profunda após artroplastia total do joelho, classificados em métodos mecânicos e farmacológicos. Reportam as principais drogas usadas, dosagem, riscos e benefícios comparativos.


Palavras-chave: prótese total de joelho; complicações; trombose venosa; prevenção

EFICÁCIA DO USO DO TEMPLATING NA ARTROPLASTIA TOTAL DO QUADRIL

Fabio Stuchi Devito; Alceu Gomes Chueire; Cristiane Bonvicine

Rev Bras Ortop. 2013;48(2):178-185 - Artigo Original
Objetivo: Avaliar a eficácia do planejamento pré-operatório tradicional com o uso de templatings. Método: Quarenta e três radiografias antero-posteriores foram analisadas por três cirurgiões experientes (A, B, C) e comparadas. Os testes de concordância de Cohen Kappa e Kappa ponderado, com ponderação quadrática, foram usados para análise estatística, com um intervalo de confiança de 95%. Resultados: A avaliação pré-operatória dos cirurgiões A, B e C compreendeu a análise do tamanho da taça acetabular, haste e plug do canal distal do fêmur. O cirurgião A obteve uma concordância moderada em relação ao componente acetabular e substancial em relação à haste e ao plug; o cirurgião B obteve concordância moderada tanto em relação ao acetábulo quanto à haste e substancial em relação ao plug e o cirurgião C obteve concordância moderada em relação à análise do acetábulo e ao plug e substancial em relação à haste. O teste de concordância intraobservador demonstrou ligeira concordância em relação ao acetábulo e substancial em relação à haste e ao plug. Conclusão: O uso do templating no planejamento pré-operatório revelou-se eficaz; entretanto, houve prevalência de concordância de leve a moderada em relação ao tamanho do componente acetabular.. Descritores - Pelve Quadril/radiografia Artroplastia

Artroplastia total do quadril com uso de próteses híbridas

PAULO G. C. DEALENCAR; WALMIR FRANCISCO SAMPAIO; JOÃO LUIZ VIEIRA DA SILVA; MARCELO BURGARDT RODRIGUES

Rev Bras Ortop. 1995;30(7):- - Artigo Original
Foram analisados os resultados a curto prazo (tempo médio de seguimento pós-operatório de dois anos e dois meses) de 106 artroplastias totais do quadril híbridas, em que foram empregados componentes femorais cimentados e componentes acetabulares não cimentados. Até o momento, nenhuma das próteses mostrou sinais radiográficos de soltura asséptica. Um quadril foi revisado devido a infecção. Os resultados funcionais, de acordo com a classificação de D'Aubigné & Postel, mostraram valor médio de 5,67 para dor, 5,33 para marcha e 5,37 para mobilidade. Os resultados clínicos e radiográficos a curto prazo de próteses totais de quadril híbridas mostraram-se superiores aos de próteses não cimentadas descritos na literatura. O uso de componente acetabular não cimentado é vantajoso para preservação do estoque ósseo da bacia e para facilitar reconstruções complexas. As implicações referentes ao desgaste do polietileno das próteses deste grupo de pacientes só serão definidas no futuro, com tempo de seguimento pós-operatório mais prolongado.

Uso de reforço acetabular em artroplastia total de quadril

CARLOS ALBERTO DE SOUZA MACEDO, CARLOS ROBERTO GALIA, MÁRCIO RANGEL VALIN, RICARDO ROSITO, HEBERTON TIMM, LUÍS MARCELO MÜLLER

Rev Bras Ortop. 1998;33(4):- - Artigo Original

RESUMO

O presente trabalho é um estudo retrospectivo de 26 pacientes (27 quadris) com deficiências acetabulares, submetidos à artroplastia total de quadril com uso de reforço acetabular em forma de concha ajustável de Fabroni ou em placa cruzada do tipo Archimède, associada ou não a enxerto ósseo. O período do estudo foi de 12 anos (1983 a 1995) e o seguimento médio, de 5 anos e 6 meses. Foram utilizados os critérios propostos por Merle d`Aubigné & Postel para a avaliação clínica, que revelaram que em 70,4% dos pacientes os resultados foram médios, bons e muito bons. A avaliação radiológica baseou-se nos critérios de DeLee & Charnley. Quando comparada com os resultados clínicos, sugeriu que a presença de linhas radioluzentes contribuiu para a piora do estado clínico (p < 0,05). Baseados nos resultados obtidos nessa série, os autores concluem que as deficiências acetabulares podem ser adequadamente manejadas com o uso de reforços acetabulares de Fabroni ou do tipo Archimède.

Estudo morfo-histológico da interconexão dos ligamentos cruzados no joelho humano*

TANIA CLARETE F. VIEIRA S. SAMPAIO; VIRGÍNIA H. R. LEITE; JOSÉ MÁRCIO G. DE SOUZA; LEONARDO C. ANTUNES

Rev Bras Ortop. 2001;36(10):- - Artigo Original
Vários estudos têm demonstrado a função mecânica e proprioceptiva dos ligamentos cruzados na estabilidade do joelho. Em 1999, Morgan-Jones e Cross descreveram uma banda de tecido, não relatada anterior-mente, que continha fibras colágenas, vasos e nervos e unia os ligamentos cruzados anterior e posterior. Esses autores nomearam de banda intercruzados a estrutura e afirmaram que os ligamentos cruzados não poderiam ser mais pensados isoladamente, mas sim como um complexo dos cruzados. Para estudar detalhadamente a morfologia e histologia dessa banda de interconexão dos cruzados, detectar a presença de mecanorreceptores, comprovar que esse tecido tem função e suas implicações diagnósticas, 10 complexos de cruzados foram dissecados de cadáveres. Os complexos foram fotografados e posteriormente seccionados e corados com técnicas específicas para demonstrar a presença de colágeno, vasos, nervos e mecanorreceptores. O estudo mostrou que em todos os espécimes a faixa de interconexão dos cruzados estava presente. Ao exame histológico de-tectou-se presença de membrana sinovial, fibras colágenas, estruturas vasculares, nervos e corpúsculos sensoriais especializados (mecanorreceptores). Os resultados sugerem que a presença de tecido conjuntivo denso não modelado na estrutura de interconexão dos cruzados, identificado como fibras colágenas arranjadas sem orientação fixa, confere ao tecido de interconexão resistência às trações oferecidas em várias direções. A presença de condrócitos na área de implantação da estrutura de interconexão nos ligamentos cruzados comprova sua função mecânica. Os mecanorreceptores encontrados na mesma confirmam seu papel proprioceptivo. Os autores acreditam que o conjunto, ligamento cruzado anterior, ligamento cruzado posterior e a banda, é importante na estabilidade do joelho.

POLIETILENO TIBIAL MÓVEL NA ARTROPLASTIA TOTAL DO JOELHO

Hugo Alexandre de Araújo Barros Cobra; Idemar Monteiro da Palma

Rev Bras Ortop. 2009;44(6):475-478 - Atualizaçao
O desgaste do polietileno tibial utilizado nas artroplastias de joelho origina partículas que, quando fagocitadas, dão início à cascata de eventos biológicos que levam à osteólise e consequente afrouxamento dos componentes da prótese. Assim sendo, alternativas para o polietileno têm sido pesquisadas com o objetivo de minimizar o desgaste e, com isso, aumentar a durabilidade das artroplastias. Uma dessas opções é a utilização de polietilenos tibiais móveis, que apresentam maior conformidade do que os polietilenos fixos, ao mesmo tempo em que permitem autoalinhamento rotacional entre os componentes, melhorando, dessa forma, a cinética e a cinemática da prótese. São apresentados aqui, de forma resumida, porém abrangente, o conceito, os fundamentos biomecânicos, as indicações, os resultados esperados e complicações dos polietilenos tibiais móveis nas artroplastias totais do joelho. Descritores - Joelho; Biomecânica; Artroplastia; Polietileno.

DOR NO JOELHO APÓS ARTROPLASTIA TOTAL - UMA ABORDAGEM SISTEMATIZADA

Wilson Mello Alves Júnior; Eduardo Zaniol Migon; Jose Luis Amim Zabeu

Rev Bras Ortop. 2010;45(5):384-391 - Atualizaçao
A artroplastia total de joelho (ATJ) é um procedimento reconhecidamente bem sucedido. O envelhecimento da população e a crescente demanda de qualidade de vida têm aumentado muito a indicação do procedimento. Entretanto, a ATJ apresenta algumas complicações que ainda carecem de uma resolução definitiva. A dor após a ATJ ocorre por uma miríade de causas, as quais devem ser sistematicamente pesquisadas a fim de se obter um diagnóstico e tratamento corretos. História, exame físico, exames laboratoriais e de imagens devem todos ser incluídos nessa propedêutica e repetidos até que uma razão plausível seja apontada, já que a indicação de revisão apenas pela dor pode ter resultados catastróficos. Descritores - Artroplastia total do joelho; Diagnóstico.

INFECÇÃO EM ARTROPLASTIA TOTAL DE JOELHO: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

Lúcio Honório de Carvalho Júnior; Eduardo Frois Temponi; Roger Badet

Rev Bras Ortop. 2013;48(5):389-396 - Atualizaçao
 Infeccão após artroplastia total do joelho (IATJ) é complicação incomum. Está associada a aumento da morbimortalidade e dos custos de internação. Cocos gram-positivos, sobretudo Staphylococcus coagulase-negative e Staphylococcus aureus, são os germes mais comumente isolados (> 50% de todos os casos). Condições ligadas ao paciente, ao procedimento cirúrgico e mesmo ao pós-operatório têm sido identificadas como fatores de risco para IATJ. Vários são os métodos complementares que se somam à investigação clínica para o diagnóstico infeccioso e melhor caracterização do quadro. O tratamento para a IATJ deve ser individualizado, mas geralmente envolve a combinação da antibioticoterapia sistêmica com o tratamento cirúrgico. A troca do implante em um ou dois estágios é o procedimento de escolha. Desbridamento com retenção da prótese é opção em casos agudos, com implantes estáveis e com germes sensíveis aos agentes antimicrobianos. Descritores - Antibacterianos Artroplastia do joelho Desbridamento Infecção

Pesquisas Recentes

Aguarde, carregando...

Filtrar

Anos


Tipos de artigos