ISSN - Versão Impressa: 0102-3616 ISSN - Versão Online: 1982-4378

Resultados da Busca

Ordenar:

Mostrando de 1 até 20 de 80 resultado(s)

Busca por: Comparação da taxa de desgaste entre componentes de cerâmica sobre cerâmica, de metal sobre polietileno de alta ligação cruzada e de metal sobre metal*

Comparação da taxa de desgaste entre componentes de cerâmica sobre cerâmica, de metal sobre polietileno de alta ligação cruzada e de metal sobre metal*

Yoshitoshi Higuchi; Taisuke Seki; Daigo Morita; Daigo Komatsu; Yasuhiko Takegami; Naoki Ishiguro

Rev Bras Ortop. 2019;54(3):295-302 - Artigo Original

OBJETIVO Hoje, não há evidências sobre o acompanhamento em médio prazo da artroplastia total do quadril (ATQ) não cimentada com componentes de polietileno de alta ligação cruzada (highly cross-linked) sobre metal (MoP, na sigla em inglês), de cerâmica sobre cerâmica (CoC, na sigla em inglês), e de metal sobre metal (MoM, na sigla em inglês). Nosso objetivo foi calcular a taxa de desgaste entre 5 a 10 anos e a taxa de incidência de osteólise nos 3 tipos de componentes.
MÉTODOS Um total de 77 pacientes foram submetidos a ATQ com componentes de MoP; 105 foram submetidos ao mesmo procedimento com componentes de CoC, e 55 foram submetidos à ATQ com componentes de MoM. A média de idade dos pacientes no momento da cirurgia foi de 64,7, 55,9 e 59,9 anos nos grupos de componentes MoP, de CoC, e de MoM, respectivamente. As medidas clínicas e radiológicas em um período médio de acompanhamento de 7,6 anos foram analisadas.
RESULTADOS As pontuações médias de Harris no período pós-operatório não mostraram diferença entre os grupos. As taxas médias anuais de desgaste do revestimento foram de 0,0160, 0,0040 e 0,0054 mm/ano em componentes de MoP, de CoC, e de MoP, respectivamente; a taxa de desgaste dos componentes de CoC foi significativamente menor do que as dos demais. A osteólise (14,5%) nos componentes de MoM foi significativamente mais frequente em comparação aos demais. A sobrevida de Kaplan-Meier aos 10 anos com afrouxamento do implante ou revisão da ATQ como desfecho foi de 96,1% (intervalo de confiança [IC] de 95%: 88,4–98,7) nos componentes de MoP, de 98,6% (IC95%: 90,3–98,6) nos componentes de CoC, e de 98,2% (IC95%: 88,0–99,7) nos componentes de MoM (p = 0,360).
CONCLUSÃO Os resultados clínicos e radiológicos de componentes de MoP e de CoC foram excelentes.


Palavras-chave: artroplastia; cerâmicas; metais; polietilenos; desenho de próteses.

USO DE CONE DE METAL TRABECULAR TÂNTALO PARA TRATAMENTO DE DEFEITOS ÓSSEOS NA ARTROPLASTIA DE REVISÃO DO JOELHO

Alan de Paula Mozella; Ricardo R. Oliveiro; Hugo Alexandre de A. Barros Cobra

Rev Bras Ortop. 2014;49(3):245-251 - Artigo Original
Objetivos:avaliar a técnica cirúrgica e determinar os resultados iniciais, com seguimento mínimo de dois anos, das revisões de artroplastia total do joelho nas quais cones de metal trabecular tântalo foram empregados peloCentrodeCirurgiado Joelhodo InstitutoNacional de Traumatologia e Ortopedia (Into) ou na clínica privada dos autores de julho de 2008 a dezembro 2010. Métodos:foram incluídos no estudo 10 pacientes, prospectivamente em avaliac ¸ão clínica e radiográfica. Resultados:sete pacientes apresentaram evolução sem complicações relacionadas ao uso de cones de tântalo, cinco negam dor e todos deambulam sem necessidade de muletas. Em todos os casos, verificamos osteointegração dos cones de tântalo e não foi observada migração ou soltura de implantes, assim como osteólise. Conclusão:o uso de cones de metal trabecular tântalo para tratamento de defeitos ósseos tipo II ou III Aori apresenta-se capaz de prover suporte estrutural eficiente aos implantes protéticos de revisão em avaliação de curto seguimento. Descritores - Artroplastia do joelho Próteses e implantes Tântalo Osteointegração

Avaliação radiográfica de 19 pacientes Paprosky 3 A e 3 B submetidos à revisão acetabular com cunha de metal trabeculado

Carlos Eduardo Benvindo Rosal da Fonseca Neto; Marcos Murilo Santana Lima,Bruno Tavares Rabello; Leonardo da Silva Sena; Luiz Carlos Zacaron Júnior; Maurício Tarrago Viana

Rev Bras Ortop. 2018;53(1):94- - Artigo Original
    Objetivo: Avaliar a fixação das cunhas de metal trabeculado em pacientes submetidos arevisão de artroplastia do quadril com grandes defeitos ósseos acetabulares.Métodos: Foram avaliadas as radiografias de 19 pacientes, ou 21 quadris, submetidos a revi-são de artroplastia do quadril com cunha de metal trabeculado de setembro de 2010 adezembro de 2014. Foram incluídos somente os casos Paprosky 3 A E 3 B. Exames de imagempré-operatórios e pós-operatório foram analisados. A não fixação do implante foi definidapela presença de variação angular do componente superior a 10 graus ou deslocamentosuperior a 6 mm. Pacientes com tempo de seguimento inferior a 24 meses ou aqueles quenão compareceram às duas últimas consultas foram excluídos.Resultados: O tempo de seguimento médio foi de 39,4 meses (25-61). A fixação foi alcançadaem todos os casos, apesar da complexidade. O único caso de luxação foi submetido a reduçãoaberta. Um caso evoluiu com infecção, foi abordado cirurgicamente em dois momentos, comamplo desbridamento e uso de antibiótico venoso, conforme protocolo, e apresentou boaevolução.Conclusão: O implante em cunha de material trabeculado apresentou resultados excelentesem curto e médio prazos, pode ser mais uma opção nas reconstruções dos grandes defeitosacetabulares, por vezes substitui a reconstrução óssea com o uso de banco de ossos ouenxerto autólogo.  

AVALIAÇÃO DA FIXAÇÃO DA CUNHA DE METAL TRABECULADO EM PACIENTES SUBMETIDOS À REVISÃO DE ARTROPLASTIA TOTAL DE QUADRIL TRABALHO 42° TEOT

Vitor Magalhães Callado; Osamu de Sandes Kimura; Diogo de Carvalho Leal; Pedro Guilme Teixeira de Sousa Filho; Marco Bernardo Cury Fernandes; Emílio Henrique Carvalho de Almendra Freitas

Rev Bras Ortop. 2014;49(4):364-369 - Artigo Original
Objetivo: avaliar a fixação das cunhas de metral trabeculado (CMT) em pacientes submetidos à revisão de artroplastia total de quadril. Métodos: foram avaliados 23 casos graduados no mínimo como II-B de Paprosky, operados entre julho de 2008 e fevereiro de 2013. Os casos foram avaliados com base nas radiografias pré e pós-operatórias imediatas e tardias. A perda da fixação foi definida como uma variação do ângulo de abdução do componente maior do que 10? ou qualquer mobilização maior do que 6mm. Resultados: verificou-se 100% de fixação dos acetábulos após 29,5 meses em média. Um caso foi submetido à retirada dos componentes implantados por infecção. Conclusões: ainda não há consenso no que diz respeito à melhor opção de reconstrução do quadrilcomperda óssea, porém a revisãocomCMTvemapresentando excelentes resultados em curto e médio prazo. Tal fato a qualifica como uma importante ferramenta na obtenção de um componente acetabular fixo e estável. Descritores - Artroplastia de quadril Cunha de metal trabeculado Próteses e implantes Defeitos ósseos acetabulares

Desgaste do polietileno nas artroplastias do quadril

FERNANDO PINA CABRAL; PAULO JOSÉ SILVA RAMOS; JORGE LUIZ PENEDO; EMÍLIO FREITAS; SÉRGIO CORTES DA SILVEIRA; ROBERTO FERES JUNIOR

Rev Bras Ortop. 1998;33(10):- - Artigo Original
Os autores avaliaram 79 pacientes submetidos a artroplastia total do quadril utilizando próteses de Charnley, AML e Parhofer, entre 1978 e 1992, quanto ao desgaste linear do polietileno. A técnica não digitalizada, utilizada pelos autores, permite erros em torno de 20%, o que é compatível com a literatura. O ângulo de inclinação acetabular parece ser prognóstico quanto ao desgaste do polietileno, assim como o off-set.

FRACTURA DE CABEÇA FEMORAL DE CRÓMIO-COBALTO DE REVISÃO APÓS FRACTURA DE CABEÇA FEMORAL DE CERÂMICA, COM METALOSE DIFUSA. CASO CLÍNICO.

Pedro Miguel Dantas Costa Marques , António Félix , Bruno Alpoim , Maria Elisa Rodrigues , Pedro Sá , Carolina Oliveira, Francisco Lima Rodrigues , Paulo Gonçalves, Maieiro Costa , António Rodrigues.

Rev Bras Ortop. 2013;48(2):- - Relato de Caso
 

RESUMO

Apresenta-se um caso de fratura de cabeça femoral de crómio-cobalto após revisão de artroplastia total de anca por fratura de cabeça femoral de cerâmica. Intraoperatoriamente verificou- se a fratura da cabeça femoral crcO, o desgaste do polietileno acetabular e a existência de metalose maciça nos tecidos musculares e cartilaginosos. Tanto a haste femoral como o componente acetabular encontravam-se estáveis e sem desgaste aparente. Após lavagem e desbridamento cirúrgico extenso, promoveu-se substituição da cabeça femoral e do polietileno acetabular. Ao fim de 12 meses de acompanhamento o paciente encontra-se sem queixas álgicas, limitação funcional ou alterações sistêmicas associadas à metalose maligna.

Descritores - cabeça do fêmur cerâmica, prótese de quadril Ligas metalo-cerâmicas

Osteólise e desgaste nos componentes acetabulares não cimentados nas artroplastias do quadril*

RUDELLI SÉRGIO ANDREA ARISTIDE; EMERSON HONDA; GIANCARLO POLESELLO; LUIS ALFONSO SANTAMARÍA SALAS; MARCO ANTONIO PEDRONI

Rev Bras Ortop. 1996;31(12):- - Artigo Original
Entre 1986 e 1992 foram avaliados 135 quadris, submetidos a artroplastia total com componente acetabular não cimentado de Harris-Galante. Foram estudados osteólise localizada e desgaste do polietileno, relacionados com idade, diâmetro da cabeça do componente femoral, artroplastia primária ou revisão, componente femoral cimentado ou não e espessura do polietileno. Em 46% dos componentes acetabulares não cimentados, foi encontrada osteólise localizada. Não houve correlação significante com a quantidade de desgaste do polietileno e osteólise, em que, na maioria dos casos, a espessura do polietileno utilizado foi igual ou superior a 10mm. O desgaste do polietileno foi de 0,14 ± 0,02mm ao ano, superior às médias descritas na literatura para artroplastias cimentadas. A quantidade de desgaste do polietileno foi maior nas artroplastias com cabeça femoral de 28mm de diâmetro.

Análise do desgaste do polietileno do componente acetabular da prótese total do quadril, utilizando o método de elementos finitos de simulação computadorizada*

ROBERTO DANTAS QUEIROZ; RAÚL GONZÁLEZ LIMA; GILBERTO GARCIA DEL PINO; LUIZ AURÉLIO MESTRINER; EDMILSON TAKEHIRO TAKATA

Rev Bras Ortop. 2001;36(5):- - Artigo Original
Este trabalho apresenta os resultados obtidos na simulação computadorizada da artroplastia total do quadril. Estuda o desgaste do polietileno do componente acetabular, utilizando o método de elementos finitos, com o objetivo de verificar a validade deste método de simulação. Foi simulado o desgaste do polietileno produzido pelo contato da cabeça femoral de cromo-cobal-to, tendo o componente acetabular orientação espacial de 45° de inclinação lateral e anteversão neutra. Os resultados encontrados foram semelhantes àqueles observados em estudos clínicos.

POLIETILENO TIBIAL MÓVEL NA ARTROPLASTIA TOTAL DO JOELHO

Hugo Alexandre de Araújo Barros Cobra; Idemar Monteiro da Palma

Rev Bras Ortop. 2009;44(6):475-478 - Atualizaçao
O desgaste do polietileno tibial utilizado nas artroplastias de joelho origina partículas que, quando fagocitadas, dão início à cascata de eventos biológicos que levam à osteólise e consequente afrouxamento dos componentes da prótese. Assim sendo, alternativas para o polietileno têm sido pesquisadas com o objetivo de minimizar o desgaste e, com isso, aumentar a durabilidade das artroplastias. Uma dessas opções é a utilização de polietilenos tibiais móveis, que apresentam maior conformidade do que os polietilenos fixos, ao mesmo tempo em que permitem autoalinhamento rotacional entre os componentes, melhorando, dessa forma, a cinética e a cinemática da prótese. São apresentados aqui, de forma resumida, porém abrangente, o conceito, os fundamentos biomecânicos, as indicações, os resultados esperados e complicações dos polietilenos tibiais móveis nas artroplastias totais do joelho. Descritores - Joelho; Biomecânica; Artroplastia; Polietileno.

O desgaste acetabular nas próteses bipolares * Avaliação de 55 casos

LUIZ OSÓRIO; ANA C. D'AVILA CHIROL; PAULO COUTO; CLAUDE CHAMBRIARD

Rev Bras Ortop. 1997;32(6):- - Artigo Original
oram estudados radiograficamente 50 pacientes, com idade média de 55 anos, submetidos a 55 hemiartroplastias com prótese bipolar, 13 por causa de fratura e 42 por osteoartrose, para avaliação da erosão acetabular, através da migração medial e proximal, a partir dos índices de Hubbard e Ranawat et al., em seguimento mínimo de três anos e máximo de seis anos (média de quatro anos). Do total de quadris estudados, 62% apresentaram algum grau de migração. No grupo das fraturas, foram observados índices de erosão acetabular semelhantes aos encontrados nas próteses unipolares (15%). Evidenciou-se desgaste acetabular mais significativo no grupo das osteoartroses (76%), o que preconizaria o uso de próteses totais em pacientes mais jovens e ativos.

Lesões traumáticas da coluna cervical alta

HELTON L.A. DEFINO

Rev Bras Ortop. 2002;37(4):- - Atualizaçao
As fraturas da coluna cervical alta apresentam características distintas das da coluna cervical baixa e são estudadas separadamente. Nesta revisão são apresentadas as principais características clínicas, diagnósticas e tratamento das fraturas do côndilo occipital, luxação atlanto-occipital, fratura do atlas, lesão do ligamento transverso, luxação rotatória atlanto-axial, fratura do processo odontóide e espondilolistese traumática do áxis.

AVALIAÇÃO BIOMECÂNICA DOS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE FIXAÇÃO INTRAMEDULAR BLOQUEADO PARA A TÍBIA

GERALDO ROCHA MOTTA FILHO; FERNANDO BALDY DOS REIS; HÉLIO JORGE FERNANDES; ENRICO JOSÉ GIORDANI; FLÁVIO FALOPPA

Rev Bras Ortop. 2004;39(8):- - Artigo Original
Um sistema para fixação intramedular bloqueado de fraturas da tíbia foi desenvolvido pelos autores. Seus componentes apresentam dois tipos de hastes, uma sólida e outra com uma fenda e dois tipos de parafusos, um de rosca total e outro de rosca parcial com 4,5mm de diâmetro. As hastes têm um encurvamento proximal de 10º e diâmetro de 8 a 13mm. Os orifícios de travamento proximal são oblíquos, dois distais são paralelos de medial para lateral e um terceiro, de anterior para posterior. O titânio foi o material escolhido para o manufaturamento dos implantes. Ensaios mecânicos foram realizados para avaliar a resistência à fadiga das hastes e parafusos utilizando-se uma máquina de testes, controlada por computador, MTS modelo 812, Test Star II (MTS Systems Corp., Minneapolis, Minnesota). As propriedades mecânicas de hastes com características diferentes foram avaliadas em compressão e flexão em quatro pontos. Os parafusos de travamento com diferentes comprimentos e com rosca total e parcial foram testados em compressão, flexão e torção. Os ensaios de compressão das hastes mostraram que a carga máxima e o limite elástico são inversamente proporcionais ao seu comprimento. O diâmetro é de significância decisiva para a resistência ao encurvamento, assim como o desenho e material utilizado. Os parafusos de rosca parcial apresentam maior resistência ao encurvamento, compressão e torção do que os de rosca total. Os resultados dos ensaios são comparáveis aos da literatura. Descritores - Fraturas da tíbia; fixação intramedular de fraturas; biomecânica; pinos ortopédicos; parafusos ósseos.

A cirurgia precoce nas fraturas do fêmur proximal em idosos reduz a taxa de mortalidade?*

Igor Pellucci Pinto; Luis Felipe Brandt Ferres; Guilherme Boni; Guilherme Guadagnini Falótico; Maurício de Moraes; Eduardo Barros Puertas

Rev Bras Ortop. 2019;54(4):392-395 - Artigo Original

OBJETIVO Analisar se a redução no tempo de espera para cirurgia ortopédica nos pacientes idosos com fratura da extremidade proximal do fêmur impacta na redução da mortalidade intra-hospitalar, da mortalidade em 6 meses de seguimento, e na redução do tempo de internação hospitalar.
MÉTODOS Trabalho de coorte retrospectiva fundamentado na análise de prontuários de 81 pacientes internados com diagnóstico de fratura transtrocanteriana ou subtrocanteriana do fêmur, e submetidos a tratamento cirúrgico em 2015 e 2016 em um hospital de referência no atendimento ao trauma, antes e após a implantação de protocolo para cirurgia em até 48 horas.
RESULTADOS Observou-se redução do tempo médio de internação de 17 para 11 dias após a implantação do protocolo. Com relação à mortalidade intra-hospitalar, cinco pacientes faleceram antes da implantação do protocolo, e cinco, após a implantação do protocolo. Referente à mortalidade extra-hospitalar, avaliada em 6 meses de pós-operatório, observou-se uma redução de 26,7% para 19,4%. Os resultados não apresentaram significância estatística.
CONCLUSÃO O presente estudo demonstrou que existe uma tendência à redução do tempo de internação hospitalar e da mortalidade em 6 meses quando a cirurgia para tratamento de fraturas do fêmur proximal no idoso é feita em até 48 horas de internação hospitalar.


Palavras-chave: fraturas do quadril; mortalidade; idoso; ortopedia.

ANÁLISE DA ESPESSURA DO POLIETILENO TIBIAL USADO NAS ARTROPLASTIAS TOTAIS DE JOELHO

CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN; LEONARDO CARBONERA BOSCHIN; MARLON SCHLEDER CORRÊA; MARCUS VINÍCIUS CRESTANI

Rev Bras Ortop. 2004;39(9):- - Artigo Original
O desgaste excessivo do polietileno tem-se tornado um dos mais importantes fatores na falência asséptica da artroplastia total de joelho. O desenho da prótese, a sua conformidade e a espessura do polietileno influenciam no tipo de estresse de contato exercido entre esse material, sua base tibial e o componente femoral; por isso, uma espessura mínima de 8mm é recomendada para minimizar esse estresse. Entretanto, em muitas próteses, a espessura do polietileno não é informada corretamente pelos fabricantes. A proposta deste estudo foi determinar se a espessura do polietileno confere, realmente, com as informações dos fabricantes. Para isso, realizou-se a mensuração na me-nor altura das concavidades em ambos os lados do polietileno utilizando dois importados e quatro nacionais da menor altura, que corresponde a 8mm, encontrados no mercado. Todas as medidas encontradas estavam abaixo das especificações de cada um dos fabricantes. Os polímeros importados não foram superiores aos nacionais. A espessura mínima recomendada não condiz com as informações dos fabricantes. Todas as amostras mediram menos que 8mm. Descritores - Espessura; polietileno.

Importância da avaliação pré-clínica do desgaste em projetos de implantes de quadril usando máquinas simuladoras

Rafael Mello Trommer; Márcia Marie Maru

Rev Bras Ortop. 2017;52(3):251-259 - Artigo de Revisao
    A artroplastia total do quadril (ATQ) é um procedimento cirúrgico que envolve a substituição da articulação danificada por um dispositivo artificial. Apesar do reconhecido sucesso clínico dos implantes de quadril, o desgaste das superfícies articulares ainda é uma das questões críticas que influenciam o seu desempenho. As combinações mais comuns de materiais usadas nas próteses incluem metal-polímero (M-P), cerâmica-polímero (C-P), metal-metal (M-M) e cerâmica-cerâmica (C-C). No entanto, em relação ao projeto do implante de quadril, além dos materiais usados, vários parâmetros podem influenciar o seu desgaste. Nesse cenário, no qual a segurança e eficácia para o paciente são as principais questões, é fundamental avaliar e prever a taxa de desgaste do modelo de implante de quadril antes de seu uso em ATQ. Essa é uma das questões que devem ser levadas em conta na etapa de avaliação pré-clínica do produto, na qual testes de simulação em laboratórios são necessários. No entanto, é fundamental que os movimentos e as cargas aplicados possam reproduzir os mecanismos de desgaste fisiologicamente observados no paciente. Máquinas especiais, conhecidas como simuladores de articulação, são usadas para reproduzir os deslocamentos angulares e as cargas in vivo. Este artigo enfoca as principais características relacionadas à simulação de desgaste de implantes de quadril por meio de simuladores mecânicos, fornece informações a cirurgiões, pesquisadores e órgãos reguladores, dentre outros, sobre a importância da avaliação pré-clínica do desgaste. Foi feita análise crítica sobre as diferenças nos princípios de funcionamento dos simuladores e seus efeitos nos resultados finais, bem como sobre as tendências futuras na simulação de desgaste.

Luxação espontânea do polietileno após artroplastia de revisão de joelho: relato de caso

Eduardo Zaniol Migon; Geraldo Luiz Schuck de Freitas; Marcos Weimberg Rodrigues; Gustavo Kaempf de Oliveira; Luis Gustavo Morato Pinto de Almeida; Carlos Roberto Schwartsmann

Rev Bras Ortop. 2015;50(1):114-116 - Relato de Caso
A luxação do polietileno em artroplastia do joelho é uma complicação rara. O principal fatordesencadeante é a falha no mecanismo de travamento, que pode ser decorrente de errostécnicos na inserção, do trauma ou ainda de falha do implante. Os autores relatam casode luxação do polietileno a partir da base tibial, nove anos após artroplastia de revisão.Acredita-se que seja o primeiro caso relatado na literatura nacional. Descritores - Artroplastia do joelho Polietileno Falha de prótese

FRATURAS TRANSTROCANTÉRICAS - AVALIAÇÃO DOS DADOS DA ADMISSÃO À ALTA HOSPITALAR

Christiano Saliba Uliana; Marcelo Abagge; Osvaldo Malafaia; Faruk Abrão Kalil Filho; Luiz Antonio Munhoz da Cunha

Rev Bras Ortop. 2014;49(2):121-128 - Artigo Original
Objetivo: avaliar os dados obtidos de pacientes com fratura transtrocantérica atendidos em um hospital de referência terciária de trauma, desde a admissão até a alta hospitalar, coletados prospectivamente por meio do Sinpe©. Métodos: foram avaliados 109 pacientes consecutivos admitidos de abril de 2011 até janeiro de 2012. Usou-se uma base eletrônica de armazenamento e análise de dados, o software Sinpe©. A coleta dos dados deu-se de maneira prospectiva e informações sobre dados pessoais do paciente, anamnese, classificação das fraturas (Evans-Jensen, AO/OTA e Tronzo), tratamento e alta foram avaliadas. Resultados: a amostra foi composta por 43 homens e 66mulheres. A idade variou de 20 a 105 anos, com média de 69. A queda foi o mecanismo de trauma em 92 pacientes e os acidentes de trânsito foram em 17. As doenças crônicas mais prevalentes foram a hipertensão arterial sistêmica e o diabetes mellitus. Pela classificação AO/OTA, o tipo mais comum de fratura foi a 31 A1. Pela classificação de Tronzo, a tipo III foi a mais comum. A fratura foi fixada com haste cefalomedular em 64 casos e com placa-parafuso deslizante em 44 casos. Uma fratura foi fixada com placa-parafuso 95?. Sete pacientes apresentaram alguma complicação clínica e três foram a óbito durante o internamento. Todos os pacientes que receberam alta foram orientados a fazer apoio parcial. Conclusão: por meio do Sinpe© foi possível avaliar as informações relacionadas a dados pessoais, anamnese, classificação, tratamento e alta de pacientes com fratura transtrocantérica desde a admissão até a alta hospitalar. Descritores - Fraturas do quadril/etiologia Fraturas do quadril/epidemiologia Coleta de dados

Avaliação radiológica da fixação biológica dos componentes femorais não cimentados nas próteses totais de quadril segundo Charles Engh

PEDRO IVO DE CARVALHO; ALDO DE CARVALHO FILHO; ADILSON DIAS AVELAR

Rev Bras Ortop. 1993;28(6):- - Artigo Original
Foram realizadas 90 artroplastias totais de quadril não cimentadas, em nosso serviço, no período de junho de 1988 a outubro de 1991. Destas, 45 foram analisadas segundo critérios clínicos e radiológicos. Analisando os resultados segundo o crescimento ósseo, concluímos que o método utilizado é eficiente e de fácil interpretação. Foi constatado crescimento ósseo em 91% das radiografias analisadas, 4,4% de casos com encapsulação fibrosa, porém estáveis, e 4,4% de casos de falha do crescimento ósseo com conseqüente instabilidade do implante.

ACESSO ANTERIOR AMPLO PARA AS FRATURAS DE ALTA ENERGIA DO PLANALTO TIBIAL

IVO SCHMIEDT; PABLO MARIOTTI WERLANG; LUÍS ALBERTO RUBIN; PAULO DAVID FORTIS GUSMÃO; CARLA CUENCA SCHWARTSMANN; CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN

Rev Bras Ortop. 2004;39(10):- - Artigo Original
Os autores avaliaram retrospectivamente oito pacientes com fratura resultante da ação de alta energia do planalto tibial, submetidos a tratamento cirúrgico por meio de um acesso anterior amplo, fazendo osteotomia da tuberosidade da tíbia e desinserção do corno anterior dos meniscos. Os pacientes foram avaliados clínica e radiologicamente. Todos evoluíram com boa cicatrização da ferida operatória e consolidação da tuberosidade. A média do arco de movimento foi 5º-5º-113º. Dois pacientes apresentaram dor residual. Apesar da aparente agressividade cirúrgica, esse tipo de acesso demonstrou baixa incidência de complicações, com a vantagem de excelente acesso à superfície articular da tíbia, da facilidade na obtenção da redução dos fragmentos e do retorno do paciente às suas funções.

A abordagem da coluna cervical alta pela via de acesso transoral*

TARCÍSIO E. P. BARROS FILHO; REGINALDO P. OLIVEIRA; NILSON R. RODRIGUES; PAULO EDUARDO C. GALVÃO; ALEXANDRE FELIPE FRANÇA; MARCELLO JOSÉ DE CAMPOS; CÉSAR DALL BELLO

Rev Bras Ortop. 1996;31(2):- - Artigo Original
Os autores relatam dez casos de patologias do clívus, atlas e áxis, abordadas por via transoral, tais como tumores e processos infecciosos. Descrevem a técnica utilizada e chamam a atenção para o conhecimento da anatomia da região, por ser via útil e de fácil acesso, indicada para procedimentos limitados.

Pesquisas Recentes

Aguarde, carregando...

Filtrar

Anos


Tipos de artigos